undefined
Agência Brasil
Avanço nos preços administrados, como o dos combustíveis, também sofreu redução nas previsões para o ano que vem

As projeções do mercado financeiro para a inflação do ano que vem caíram pela quarta semana consecutiva no Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira (1º) pelo Banco Central (BC). De acordo com o documento, a mediana para 2017 saiu de 5,29% para 5,20%. Há um mês estava em 5,43%. Para o IPCA deste ano, as estimativas ficaram congeladas em 7,21% de uma semana para outra - a taxa estava em 7,27% quatro semanas atrás.

LEIA MAIS:  Taxa de desemprego sobe para 11,3% no segundo trimestre e é a maior desde 2012

A meta de inflação deste e do próximo ano é de 4,50%, com tolerância de 2 pontos porcentuais em 2016 e de 1,5 ponto porcentual em 2017. O mesmo limite de 1,5 ponto foi determinado para 2018.

No comunicado do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) e na ata da reunião, divulgada na semana passada, o BC informou que, pelo cenário de referência, que pressupõe a Selic (a taxa básica de juros) inalterada em 14,25% ao ano e um dólar a R$ 3,25, as projeções apontam para uma inflação em torno da meta de 4,5% já em 2017. No cenário de mercado, que utiliza as trajetórias para os juros e o câmbio apuradas na pesquisa Focus, a inflação projetada para 2017 está em torno de 5,3%.

LEIA MAIS:  Os 12 motivos mais comuns de demissões por justa causa

Para 2016, a ata do Copom indicou que as projeções, tanto no cenário de referência quanto no de mercado, apontam para uma inflação em torno de 6,75%.

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do índice no médio prazo, denominadas Top 5, as medianas das projeções para este ano passaram de 7,20% para 7,16%. Para 2017, apresentaram recuo considerável, de 5,29% para 4,97%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de, respectivamente, 7,18% e 5,30%.

LEIA MAIS:  Da demissão ao sucesso: histórias de empreendedores que venceram

Já a inflação suavizada 12 meses à frente voltou a ceder, passando de 5,63% para 5,55% de uma semana para outra - há um mês, estava em 5,90%. Estas reduções para prazos mais longos ocorrem apesar de as estimativas para os índices mensais dos próximos meses ainda estarem resilientes: as de julho passaram de 0,40% para 0,41% (quatro semanas antes estavam em 0,38%). Para agosto, seguiram em 0,30%, sendo que um mês antes estavam em 0,31%.

Preços administrados

O Relatório Focus voltou a mostrar mudanças nas projeções para os preços administrados, tanto em 2016 quanto em 2017. A mediana das previsões do mercado financeiro para este indicador este ano passaram de alta de 6,38% para avanço de 6,25%. No próximo ano, as projeções  de inflação também são mais animadoras e a mediana passou de alta de 5,50% para elevação de 5,42%

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários