Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Arquivo -Comunicação Volkswagen do Brasil
Levantamento apontou que 10,4% das empresas avaliam o atual momento como bom; em junho, parcela era de 5,4%

A indústria registrou o maior nível de confiança desde novembro de 2014 e seguiu um movimento apresentado pelo comércio . O Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 3,7 pontos na passagem de junho para julho, na série com ajuste sazonal. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o ICI alcançou 87,1 pontos no período.

Das 19 atividades pesquisadas pelo levantamento, 18 registraram alta na confiança . O setor se mostrou mais otimista em relação às expectativas e ao momento atual. O Índice de Situação Atual (ISA-I) apresentou alta de 4,0 pontos, passando para 85,2 pontos. A parcela de empresas avaliando a situação atual como boa passou de 5,4% para 10,4%, enquanto o porcentual das que avaliam como ruim caiu de 46,9% para 41%.

LEIA MAIS: Procura por voos nacionais tem queda de 6,3% em junho

O Índice de Expectativas (IE-I) avançou 3,3 pontos, alcançando 89,0 pontos. O principal responsável para alta foi a elevação do indicador relacionado às expectativas com o total de pessoal ocupado nos três meses seguintes, que avançou 6,2 pontos em comparação ao resultado de junho e registrou 90,8 pontos.

O Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV) também divulgou dados sobre o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) do setor industrial. O objetivo do NUCI é medir a relação entre o produto efetivamente gerado pelo setor e o potencial caso toda sua capacidade produtiva estivesse em uso. Em julho, o NUCI para a indústria subiu 0,4% em comparação a junho, alcançando 74,3%. A pesquisa ouviu 1.116 empresas entre os dias 4 e 26 de julho.

Setor de serviços também mostra confiança

A FGV também divulgou os resultados do Índice de Confiança de Serviços (ICI) para julho. A confiança do setor avançou 3,6 pontos em comparação ao mês de julho, passando para 76,0 pontos. O indicador aponta para a quinta alta consecutiva e representa o melhor nível desde maio do ano passado.

O indicador apontou alta em 11 das 13 atividades pesquisadas. O setor apresentou mais confiança em relação ao atual momento e às expectativas para o futuro. O Índice de Situação Atual (ISA-S) apresentou alta de 3,6 pontos, passando para 71,1 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE-S) avançou 3,4 pontos, alcançando 81,4 pontos.

LEIA MAIS: Desemprego sobe para 11,3% no segundo trimestre e é a maior desde 2012

O Ibre/FGV divulgou ainda, pela primeira vez, dados sobre o NUCI do setor de serviços, com início da série histórica em abril de 2013. Em julho, o indicador subiu 0,2% em comparação a junho, alcançando 82,9%.

"Os indicadores de julho confirmam a trajetória de recuperação da confiança das empresas de serviços no início do segundo semestre, e agora de uma maneira qualitativamente superior, uma vez que além da sustentação da melhora nas expectativas, há uma reação também nas avaliações sobre a situação corrente", avaliou Silvio Sales, consultor do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

* Com informações da Agência Estado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários