Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Divulgação/NET
A Net afirma que está à disposição para colaborar com a investigação

Juliana Barros, 35 anos, é cliente da Net e foi assediada por um de seus técnicos no fim do mês de julho deste ano. Segundo a fotógrafa falou ao Estadão Conteúdo, o homem começou a enviar mensagens à noite via WhatsApp e depois de reunir algumas delas, denunciou o crime à polícia.

A fotógrafa afirma que convive com uma sensação de insegurança desde que fez a denúncia de assédio sexual. Contudo, ela acredita que tenha feito a coisa certa. “Denunciei porque não quero ver a notícia de que uma mulher foi agredida ou violentada por um maníaco que trabalha para a Net ”, disse.

No fim do mês de junho, o técnico da empresa foi fazer a instalação no apartamento de Juliana, que fica no centro da cidade de São Paulo. Porém, ele não finalizou os serviços, alegando precisar de um adaptador. Então, o homem deixou o número de celular e não apareceu durante uma semana, quando a cliente decidiu cobrá-lo via WhatsApp.

undefined
Facebook/Reprodução
Cliente assediada revelou mensagens trocadas com funcionário da Net

“Foi quando ele me indicou uma loja e disse que arrumaria a peça”, conta. “Ele escreveu 'Tá bom, gata'. Achei estranho, mas não bloqueei”, completa ela.

Depois disso, o funcionário da Net começou a encaminhar mensagens para a fotógrafa no período da noite, sempre por volta das 23h30. Ela conta que começou a se incomodar e, por isso, resolveu testar “até onde ele iria”, também começou a guardar material para fazer a denúncia.

LEIA MAIS: O que muda com o limite de uso dos planos de internet banda larga?

Na sexta-feira (22), o técnico voltou mandou mais mensagens. “Desta vez, ele escreveu que 'toda burguesa quer ser chamada de p..., quer tomar tapa na b... e ser chamada de v...'. Como eu já tinha o suficiente, fiz o bloqueio e procurei a polícia”. Depois disso, na terça-feira (26), Juliana Barros abriu a ocorrência no 4º Distrito Policial de São Paulo (Consolação).

Em nota, a Net afirma que o técnico envolvido foi identificado e demitido e que a empresa está à disposição para colaborar com a investigação. “Reforçamos que o caso denunciado está em total desacordo com os valores e código de ética da empresa”, anunciou.

*As informações são do Estadão Conteúdo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários