Brasil Econômico

undefined
iStock
Com melhora em dez dos 13 segmentos pesquisados, confiança do comércio está retomando níveis registrados em 2015

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) registrou alta de 1,2 ponto na passagem de junho para julho, passando de 73,9 pontos para 74,9 pontos no período. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pela pesquisa, o Icom está 10 pontos acima do menor nível registrado, em dezembro do ano passado.

A análise revelou que a  confiança dos comerciários está retomando níveis de  registrados no ano passado. Em julho, a melhora ocorreu em dez dos 13 principais segmentos pesquisados. O Índice da Situação Atual (ISA-COM) registrou alta de 1,2 ponto, passando para o patamar de 66,1 pontos, maior nível desde agosto de 2015.

LEIA MAIS:  Como ganhar dinheiro a mais no final do mês

A maior contribuição para a alta veio do quesito que mede a satisfação com o Volume de Demanda Atual, com elevação de 2,0 pontos em relação ao mês anterior, chegando a 65,6 pontos. Apesar de permanecer próximo ao menor nível registrado, a avaliação do comércio sobre a demanda avançou 6,3 pontos apenas nos últimos três meses. 

O levantamento também apontou que o setor está mais otimista em relação ao futuro. O Índice de Expectativas (IE-COM) também subiu 1,2 ponto em julho, passando para 84,8 pontos. O resultado representa o maior patamar desde janeiro de 2015. Segundo a FGV, o otimismo com as vendas  nos três meses seguintes foi determinante para a alta no indicador.

O quesito avançou 2,8 pontos em relação a junho, chegando a 85,0 pontos. Nos últimos três meses, a expectativa do comércio registrou alta de 10,0 pontos, apresentando uma diminuição relativamente rápida do pessimismo do setor.

LEIA MAIS:  Logotipo: saiba como criar o melhor para sua empresa

"Em 2016, tem havido no comércio um aumento discreto da satisfação com a situação presente dos negócios e uma melhora expressiva das expectativas. Para que a retomada da confiança se consolide, faltam sinais mais consistentes de recuperação da demanda", avaliou em nota oficial o superintendente Adjunto para Ciclos Econômicos do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Aloisio Campelo Jr.

Para analisar a confiança do comércio, a FGV obteve informações de 1.209 empresas entre os dias 4 e 22 de julho.

* Com informações da Agência Estado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários