Brasil Econômico

O Investimento Direto no País registrou saída de US$ 1,7 bilhão em julho, até o dia 22, informou o chefe do departamento econômico do Banco Central, Tulio Maciel. Esse comportamento se deve especialmente a operações envolvendo bancos, segundo ele.

LEIA MAIS: Investimento Direto no País soma US$ 5,557 bi em março, revela BC

As cifras de julho constarão na próxima divulgação dos dados das contas externas. Para julho como um todo, o Banco Central projeta saída de 700 milhões no mês.

undefined
iStock
Investimento Direto no País registrou saída de US$ 1,7 bilhão em julho, até o dia 22

No semestre que terminou em junho, a queda nos preços de exportação foi de 15%. Entretanto, houve aumento de 12% na quantidade exportada. Maciel destacou o recuo de 27,5% das importações nos primeiros seis meses de 2016, resultado do câmbio (dólar ainda valorizado frente o real) e da atividade econômica fraca, que tem contido as compras de produtos de outros países.

Fluxo cambial

O fluxo cambial total brasileiro em julho, até o último dia 22, está positivo em US$ 576 milhões. O valor é resultado de um saldo comercial positivo de US$ 3,292 bilhões no período (exportações de US$ 10,362 bilhões e importações de US$ 7,070 bilhões) e de um saldo financeiro negativo de US$ 2,716 (compras de ativos de US$ 21,625 bilhões e vendas de US$ 24,341 bilhões).

LEIA MAIS: Brasil fecha 2015 com déficit de R$ 59 bilhões nas transações com outros países

Remessas

As remessas de lucros e dividendos encerraram o período com envios de US$ 513 milhões.

Coforme explicou o técnico do BC, as remessas de lucro vêm registrando queda devido ao nível baixo da atividade econômica. "Menos atividade, menos rendimentos nas empresas, menos lucratividade para ser remetida ao exterior", explicou.

Em julho, até o dia 22, a conta de viagens está negativa em US$ 755 milhões. Em relação às ações, há uma entrada de US$ 2,316 bilhões. Já para os títulos de renda fixa negociados no mercado doméstico, há saída de US$ 1,099 bilhão. A taxa de rolagem ficou em 44% no mês de julho, até o dia 22.

Maciel ressaltou ainda que o déficit na conta de serviços teve 27% de recuo no primeiro semestre, em relação ao mesmo período de 2015.

*Com informações do Estadão Conteúdo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários