Brasil Econômico

undefined
iStock
Segundo Maurício Quintella, Infraero foi prejudicada e teve perdas de receitas no governo Dilma Rousseff

O modelo de concessão dos aeroportos brasileiros utilizado durante o governo de Dilma Rousseff foi equivocado, de acordo com Maurício Quintella, atual ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Ele acredita que o trabalho, da forma que foi feito, foi responsável pela inviabilização da Infraero e, por isso, está sendo discutido um modelo adequado, para que a concessão não cause nenhum tipo de prejuízo financeiro à estatal.

LEIA:  Imóveis têm aumento de 218,5% nos lançamentos

Segundo o ministro, a Infraero foi prejudicada e teve perdas de receitas, sendo obrigada a fazer o pagamento de outorgas e até mesmo se responsabilizar por funcionários que não chegaram a trabalhar para os novos operadores. 

Indefinição

Apesar da discussão sobre o novo modelo já estar em pauta, ainda não houve a definição por parte do governo de como será o trabalho da estatal quando for concretizada a concessão dos novos aeroportos, localizados em Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza. A previsão é que os leilões seja feitos após o mês de outubro. O ministro afirma que a empresa não pode ficar com aeroportos que simplesmente não dão lucro e que não geram receita e, ao mesmo tempo, priorizar "a parte boa". 

LEIA MAIS:  Empreendedores devem evitar essas 8 ideias se querem ter sucesso

Ainda de acordo com Quintella, também não foi definido se haverá a privatização dos aeroportos Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo. O ministro deixa a questão em aberto, afirmando que "eles podem ou não entrar no programa". Além disso, ainda acrescenta que "há uma perspectiva de um outro modelo com uma empresa de economia mista".

O objetivo da empresa, segundo o ministro, é fazer o corte de gastos, de forma a enxugar rapidamente o prejuízo que foi acumulado ao longo dos dois últimos anos. A meta da estatal é que 1,4 mil funcionários sejam dispensados por meio do Programa de Demissão Voluntária até o final de 2016. Já foram liberados, durante esse ano, R$ 50 milhões para este fim. 

LEIA TAMBÉM: 5 falsos direitos na hora da compra

Uma outra hipótese que a Infraero avalia é a criação de pacotes de concessão que incluam aeroportos regionais e de grande porte – ideia que foi inicialmente apresentada pelo governo de Mato Grosso.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários