Tamanho do texto

Influenciam na redução dos preços a baixa demanda, a queda nos custos de combustível no mundo e a valorização do dólar

É possível pagar mais barato nas passagens de avião ao comprá-las com antecedência
BBC
É possível pagar mais barato nas passagens de avião ao comprá-las com antecedência

Um relatório da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), divulgado nesta quinta-feira (24), aponta que a tarifa média praticada pelas empresas aéreas no Brasil foi de R$ 289,44, valor 18,3% inferior à tarifa média do mesmo período de 2014, em termos reais.

De acordo com os dados apresentados no relatório, os últimos quatro trimestres tiveram redução do indicador. A maioria dos assentos comercializados no primeiro semestre de 2015 (66%) corresponderam a tarifas inferiores a R$ 300, enquanto 16,5% do total de assentos comercializados ao público adulto em geral corresponderam a valores inferiores a R$ 100. Tarifas superiores a R$ 1,5 mil responderam por 0,43%.

As regiões que tiveram o menor valor médio nas vendas das passagens no primeiro semestre de 2015 foram Norte e Sudeste, no valor de R$ 0,17 por quilômetro voado. Já as menores médias de tarifa aérea doméstica comercializadas foram registradas no Sul, apurado em R$ 187,24.

O estado do Amazonas (AM) apurou o menor valor comercializado por quilômetro no 1º semestre de 2015, no valor de R$ 0,19569, e o Espírito Santo (ES) foi a unidade da federação que registrou a menor Tarifa Aérea Média Doméstica, no valor de R$ 231,49.

"O cenário recente, em que se constatou essa expressiva redução das tarifas aéreas domésticas, caracterizou-se por bastante oscilação em custos representativos para o setor. Por um lado, o combustível de aeronaves [representando cerca de 35% das despesas operacionais] é diretamente afetado pelo preço internacional do barril de petróleo, que registrou expressiva redução, quando comparado o valor de junho de 2015 com o mesmo mês do ano anterior", analisa o relatório da Anac.

Ranking das melhores companhias aéreas no primeiro semestre de 2015:

Outro fator destacado pela agência foi a desvalorização do real frente ao dólar. "Exerceu força contrária no mesmo período, pois, além do combustível, os custos de arrendamento, manutenção e seguro de aeronaves são diretamente relacionados à taxa de câmbio. Tais custos, em conjunto, representaram cerca de 60% dos custos e despesas de voo totais da indústria no primeiro semestre."

Valor médio por passageiro também recua

O Yield Tarifa Aérea Média Doméstica Real – valor médio que o passageiro paga por quilômetro voado em território brasileiro – foi apurado em R$ 0,26158 no primeiro semestre de 2015. Este valor representou redução de 21,8% em relação ao mesmo período de 2014.

O indicador está em queda há quatro trimestres consecutivos. Quando confrontado o Yield Tarifa Aérea Médio Doméstico Real do primeiro semestre de 2015 com aquele apurado no mesmo período de 2006, considerando a série de rotas monitoradas desde 2002, verifica-se uma redução de 65,4%.

A maioria dos assentos comercializados no primeiro semestre de 2015 (64,14%) correspondeu a valores de Yield Tarifa Aérea Doméstico inferiores a R$ 0,30 por quilômetro voado.