Tamanho do texto

Armando Monteiro, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, afirmou que ajuste fiscal precisa ser feito rapidamente

Monteiro disse que, apesar de os resultados do ajuste, no curto prazo, serem incertos, a economia do país precisa dessas reformas para se reequilibrar
Marcelo Camargo_24Ju2015/Agência Brasil
Monteiro disse que, apesar de os resultados do ajuste, no curto prazo, serem incertos, a economia do país precisa dessas reformas para se reequilibrar

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse nesta sexta-feira (11) que é preciso completar o processo do ajuste fiscal, o mais rápido possível, "para a retomada dos investimentos e para que os agentes econômicos tenham clara percepção de que a economia vai se reequilibrar”, disse.

Monteiro falou para empresários e representantes do setor químico, durante a 20ª edição do Encontro Anual da Indústria Química, promovido pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) na capital paulista. No evento, Monteiro disse que, apesar de os resultados do ajuste, no curto prazo, serem incertos, a economia do país precisa dessas reformas para se reequilibrar.

"Não temos claramente os benefícios desse processo de ajuste fiscal, no prazo mais curto possível, mas é importante que a sociedade se mobilize para cobrar da classe política. O Brasil precisa criar as bases para garantir a sustentabilidade das contas públicas”, acrescentou.

Em um vídeo exibido no evento, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também reforça a necessidade do ajuste fiscal, para acabar com as dificuldades que os empresários enfrentam hoje para investir. "Temos confiança de que, apesar do cenário, de toda a incerteza, nós vamos encontrar caminho”, declarou o ministro da Fazenda.

Realinhamento do câmbio

Armando Monteiro comentou a alta do dólar, que abre nova perspectiva para a indústria brasileira, pois torna o produto nacional mais competitivo. “O realinhamento cambial mitiga desvantagens competitivas agravadas ao longo do tempo. Mas o câmbio não é um processo de competitividade sustentável”, disse ele.

Ele também destacou o desafio de promover reformas que "estão há muito tempo na agenda do país e foram negligenciadas”. Entre as medidas, sugeriu a quebra da rigidez no orçamento público, a revisão de mecanismos de indexação, que pressionam as despesas da Previdência Social. “As reformas são indispensáveis para descortinar o novo ciclo de desenvolvimento no país”, reforçou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas