Tamanho do texto

Mauro Pereira (PMDB-RS) disse ter consultado o empresário que quebrou o Império X porque queria alertar sobre as efeitos da crise econômica do Brasil

Eike Batista participou de audiência da CPI do BNDES nesta terça-feira (17)
Luis Macedo / Câmara dos Deputados - 17.
Eike Batista participou de audiência da CPI do BNDES nesta terça-feira (17)

De empresário quebrado, Eike Batista foi escalado na última terça-feira (17) para dar sugestões sobre como tirar o Brasil da crise econômica. O ex-dono do Império X (a letra faz referência ao nome das companhias que formavam o grupo, desfeito por problemas de insolvência de seu controlador) esteve na Câmara dos Deputados para participar de audiência na CPI do BNDES. Seus negócios estiveram entre os beneficiados pelo banco estatal de fomento, daí o convite dos parlamentares.

O deputado Mauro Pereira (PMDB-RS) causou desconforto ao pedir a Eike sugestões para a equipe econômica da presidente Dilma Rousseff. "O que a equipe econômica precisaria fazer de imediato? O que a presidente Dilma teria de fazer para dar no mínimo um alento para a nossa sociedade, para nossos investidores, para nossos operadores do comércio para que pudéssemos ter uma luzinha no fim do túnel?, perguntou o parlamentar ao empresário.

Deputados fizeram muitos elogios a Eike durante a CPI do BNDES
Luis Macedo / Câmara dos Deputados - 17.11.15
Deputados fizeram muitos elogios a Eike durante a CPI do BNDES

"Eu queria a sua opinião sobre o nosso ministro, se ele continua assim ou se tem de fazer alguma mudança para que as coisas aconteçam", continuou o deputado do PMDB diante de Eike.

Ao iG , Pereira explicou a razão de ter pedido dicas para resolver os problemas da economia brasileira a um empresário que admitiu estar quebrado momentos antes da pergunta. "Aproveitei o momento para trazer um problema grande para o País, o desemprego, principalmente no setor de serviços." 

Ainda segundo Mauro Pereira, Eike "é uma pessoa que conseguiu o que queria, mesmo dando errado depois. Ele tem experiência."

Presidente da CPI, Marcos Rotta (PMDB-AM) não deixou Eike responder a pergunta de Mauro Pereira
Presidente da CPI, dep. Marcos Rotta (PMDB-AM)
Presidente da CPI, Marcos Rotta (PMDB-AM) não deixou Eike responder a pergunta de Mauro Pereira

Presidente da CPI, Marcos Rotta (PMDB-AM) preferiu não dar a chance de Eike responder. Assim que Pereira terminou a pergunta, o parlamentar disse: Agradeço o deputado Mauro Pereira sempre pela sobriedade e inteligência dos posicionamentos de vossa excelência. Concedo a palavra ao penúltimo deputado inscrito."

Assista como foi a pergunta do deputado do PMDB a Eike Batista:

Segundo Mauro Pereira, assim que foi encerrada a participação de Eike na CPI do BNDES, os dois conversaram. "Ele disse que a economia brasileira está em uma situação nunca vivida. E que, sem sombra de dúvidas, a presidente tem de mudar o ministro da Fazenda [Joaquim Levy]".

De quem é a culpa?

Eike aproveitou o tempo de exposição na CPI do BNDES para criticar e até responsabilizar em parte a mídia pelo desempenho ruim de seus negócios. Os deputados da comissão ficaram hipnotizados pelo empresário, fizeram elogios e não quiseram saber de apertá-lo como se esperava de uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

O ex-bilionário (que já foi um dos homens mais ricos do mundo, segundo a revista "Forbes") garantiu aos parlamentares que teve boa intenção em todos os seus negócios, que não deve mais ao BNDES e que em duas semanas quitará a última dívida. 

O empresário vinha se destacando nos últimos anos como uma espécie de Midas. Encantava o mercado de capitais como projetos grandiosos e a promessa de grandes retornos. Criou empresas nas áreas de petróleo, energia, gás, mineração e logística. No ano passado, seus negócios começaram a rachar e ele chegou a estar sob o risco de prisão. Quem comprou suas ações na bolsa procurou a Justiça e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para tentar reaver o dinheiro que virou fumaça.

Mais de um ano depois da ruína, Eike Batista promete voltar ao mundo dos negócios.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.