Tamanho do texto

Na manhã desta terça (13), o dólar oscilava em torno de R$ 3,83 mas disparou durante a tarde e atingiu o valor de R$ 3,89

Em um dia de turbulências no mercado interno e externo, a moeda norte-americana teve a maior alta diária em quatro anos e voltou a encostar em R$ 3,90. O dólar comercial encerrou esta terça-feira (13) vendido a R$ 3,893, com alta de R$ 0,135 (3,58%). A cotação está no maior nível desde o dia 5, quando tinha fechado a R$ 3,901.

Moeda americana teve a maior alta diária em quatro anos; além das turbulências, o dólar subiu em razão de dados divulgados hoje, que mostram a desaceleração da economia chinesa
Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas
Moeda americana teve a maior alta diária em quatro anos; além das turbulências, o dólar subiu em razão de dados divulgados hoje, que mostram a desaceleração da economia chinesa

A cotação operou em alta durante toda a sessão. Pela manhã, oscilava em torno de R$ 3,83, mas disparou durante a tarde até encerrar na máxima do dia. Apesar da alta de hoje, a divisa acumula queda de 1,81% em outubro. Em 2015, a alta chega a 46,4%.

O Banco Central (BC) deu continuidade à rolagem de contratos de swap cambial. A autoridade monetária prorrogou o vencimento de 10.275 contratos que venceriam em novembro. Nessa modalidade, o BC não leiloa novos contratos, apenas adia o vencimento dos contratos em circulação.

Além das turbulências, o dólar subiu por causa de dados divulgados hoje, que mostram a desaceleração da economia chinesa. As importações da segunda maior economia do planeta caíram 17,7% em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Como o país asiático é o maior consumidor de matérias-primas do mundo, o recuo pressiona o dólar em países exportadores de commodities (bens primários com cotação internacional), como o Brasil.

*Com informações da Agência Lusa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.