Tamanho do texto

O que aconteceu nos bastidores durante os quatro dias do Meeting Internacional, em Montevidéu, que reuniu executivos, presidentes de empresas e parlamentares

Presidente da Abert, Daniel Slaviero falou sobre dificuldades das empresas de comunicação
Divulgação/Lide
Presidente da Abert, Daniel Slaviero falou sobre dificuldades das empresas de comunicação

O esfriamento da economia brasileira e os tempos de altíssima temperatura na política marcaram os quatro dias do Meeting Internacional, encerrado neste domingo (11) em Montevidéu. O evento acontece há 20 anos e é promovido pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais), do empresário João Dória Júnior.

Apesar das ironias disparadas por alguns empresários e políticos que participaram do encontro, Dória, pré-candidato tucano para a Prefeitura de São Paulo, evitou politizar as discussões – justamente o oposto do que foi visto no Fórum de Líderes Empresarias de Comandatuba (BA), realizado em abril passado e onde se ouviu o tempo todo a defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff e o ataque ao PT.

Confira os melhores e os piores lances dos quatro dias do Meeting Internacional:

Momento vale a pena ver de novo

A estrela dos quatro dias de evento foi a deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG). A parlamentar arrasou no bom humor, aguentou bem as diretas e as indiretas direcionadas ao governo, do qual seu partido faz parte. Teve humor, rapidez de raciocínio e não se intimidou diante do ataque tucano. Fernando Capez, presidente da Assembleia paulista, entrou no clima de bom humor e ganhou o título de provocador do encontro. Cutucou a parlamentar para debates ideológicos entre comunismo e neoliberalismo e até prometeu reestatizar a Vale. A comunista e o tucano caíram na gargalhada. Mas houve quem criticasse a parlamentar entre um cafezinho e outro. "Como pode ficar neste hotel de luxo?", disse um empresário. Outro participante comentou: "Que espécie de deputada comunista tem coragem de trocar a viagem de ônibus pelo carro de luxo?". "Vim aqui e dei o meu recado", comemorou a deputada, que ganhou palmas no voo de volta do Meeting.

Momento para ser esquecido

Por unanimidade, a participação de Alberto Alves, secretário-executivo do Ministério do Turismo. Não se preparou para representar o País no painel sobre relações bilaterais entre Brasil e Uruguai e foi engolido pela clareza e pela experiência da ministra do Turismo do país vizinho, Liliam Kechichián. Ao fim dos minutos de improviso, Alves disse a um dos presentes: "Melhor do que não ter falado nada. Na próxima eu melhoro." Momento "vergonha alheia". Foi embora antes do final do encontro e não deixou saudade.

Momento campanha antecipada

Pouco antes de desembarcar em São Paulo, João Dória Júnior não resistiu e mandou o recado tucano: "Apesar da Dilma, continue acreditando no Brasil". Desnecessário.

Momento saia justa

Edson Bueno, presidente do Conselho de Administração da Amil, um dos grandes patrocinadores do Lide, aproveitou o tempo a perder de vista dado pelo organizador do Meeting Internacional para mandar um recado a João Dória Júnior. Pediu para que os eventos do Grupo de Lide Empresariais não atrelem suas discussões empresariais aos temas políticos. Dória engoliu seco e sorriu, mas não quer dizer que concordou com o pedido do amigo.

Momento "é melhor ter um inimigo por perto"

João Dória Júnior e Fernando Capez, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (PSDB), saíram de São Paulo na quinta-feira (8) pela manhã como adversários tucanos na disputa pela prefeitura paulistana. Mas ambos se saíram muito durante os eventos. Dória prestigiou Capez em vários momentos, com direito a brinde e lugar de destaque em uma das mesas de discussão. O deputado federal, por sua vez, elogiou o colega de partido e em um dos brindes disse: "Que seus sonhos se realizem." Resta saber se o desejo inclui os planos eleitorais do empresário

Momento pires na mão

Daniel Slaviero, presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Tellevisão (Abert), foi convidado para falar no painel sobre liberdade de expressão – um tema caro para os brasileiros que até menos de 30 anos atrás conviviam com a censura dos anos de chumbo no País. Preferiu aproveitar seus minutos para criticar o Partido dos Trabalhadores, que seria culpado pela crise financeira das empresas de comunicação, já que cortou parte da verba publicitária do setor. Slaviero se referiu particularmente ao momento da Rádio Jovem Pan, segundo ele muito prejudicada pela baixa nos repasses publicitários do governo federal.

* A jornalista viajou a convite do Lide (Grupo de Líderes Empresariais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.