Tamanho do texto

Christine Lagarde diz que desaceleração chinesa, crise de refugiados e queda nos PIBs causam queda da economia

AP

Diretora geral do FMI vê desaceleração das economias de países emergentes
AP
Diretora geral do FMI vê desaceleração das economias de países emergentes

A diretora geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, afirmou nesta quarta-feira (30) que o crescimento econômico global provavelmente será mais fraco neste ano, por conta de uma série de dificuldades que o mundo enfrenta. Ela também destacou os problemas econômicos que países emergentes, como o Brasil, estão sofrendo.

Christine Lagarde acredita que haverá uma moderada retomada no crescimento de países desenvolvidos, como os Estados Unidos e o Japão. Mas, a previsão da chefe do FMI é que economias emergentes  passem pelo 5° ano consecutivo de desaceleração.

Christine disse que o potencial do crescimento global está sendo prejudicado por baixa produtividade, populações envelhecendo e por efeitos decorrentes da crise financeira de 2008, como dívidas elevadas.  Ela apontou ainda a crise dos refugiados na Europa e desaceleração econômica da China como fatores que contribuem para o enfraquecimento do crescimento global.

A diretora argumentou que o crescimento global atual é “decepcionante e desigual”, com muitos mercados emergentes perdendo suas receitas por conta da queda de preços de commodities como petróleo e cobre.

Embora tenha se demonstrado entusiasmada com o futuro da Índia, Christine afirmou que o Brasil e a Rússia estão enfrentando “dificuldades econômicas sérias”. Segundo Christine, o crescimento de muitos países Latino Americanos está caindo fortemente.