Tamanho do texto

Trabalhador recebe menos e por tempo mais curto que outras categorias; benefício é de 1 salário mínimo por até 3 meses

Doméstico receberá benefício menor e por menos tempo que demais trabalhadores
Torange-PT/Creative Commons
Doméstico receberá benefício menor e por menos tempo que demais trabalhadores

A resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) que regulamenta a concessão do seguro-desemprego ao empregado doméstico dispensado sem justa causa foi publicada na edição deste sábado (28) do Diário Oficial da União.

O benefício pago será de um salário mínimo por, no máximo, três meses. O valor e a duração são menores em relação ao pago a outras categorias, que podem receber até 75% a mais e durante cinco meses.

Para ter direito ao seguro-desemprego, o empregado doméstico precisa ter trabalhado pelo menos 15 meses nos últimos 24 meses.

O acesso ao benefício já consta em lei complementar e, com a publicação da resolução, os trabalhadores domésticos já podem requerê-lo. O empregado que for demitido por justa causa não terá acesso ao benefício.

O requerimento precisa ser apresentado às unidades de atendimento do Ministério do Trabalho e Emprego ou aos órgãos autorizados, no prazo de 7 a 90 dias contados da data da dispensa. É preciso levar a carteira de trabalho, termo de rescisão do contrato de trabalho atestando a dispensa sem justa causa, declaração de que não recebe benefício de prestação continuada – exceto auxílio-acidente e pensão por morte – e também declaração de que não tem renda suficiente para manter a família.

O benefício será concedido pelo período máximo de três meses de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 meses, contados da data da dispensa que originou habilitação anterior.

A habilitação do empregado doméstico no programa será cancelada pela recusa por parte do trabalhador desempregado de outro emprego condizendo com sua qualificação e sua remuneração anterior, por comprovação de falsidade na prestação das informações, por morte do desempregado, ou comprovação de fraude.

* Com iG São Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.