Tamanho do texto

Boletim do BC, com a expectativa de bancos e instituições, reduziu previsão de inflação neste ano para 9,29% e elevou para 5,5% em 2016; Estimativa do PIB também foi reduzida

Boletim Focus: levantamento leva em consideração expectativa do mercado financeiro
Antonio Cruz/Agência Brasil
Boletim Focus: levantamento leva em consideração expectativa do mercado financeiro

O mercado financeiro reduziu a previsão da inflação oficial pela primeira vez em 17 semanas de alta e uma de estabilidade, de 9,32%, na semana passada, para 9,29% hoje. A informação consta do relatório do Banco Central que apura semanalmente a expectativa de cerca de 80 agentes do mercado, como instituições financeiras e bancos.

Para 2016, a estimativa do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, medido pelo IBGE), foi elevada pela terceira semana, ao passar de 5,44%, na semana passada, para 5,5% hoje.

Dentro de um cenário recessivo, mas com uma inflação que não dá trégua, o Comitê de Política Monetária do Banco Centra elevou sete vezes seguidas a taxa básica de juros, a Selic. A autoridade monetária tem afirmado, no entanto, que o recuo nos preços deve ocorrer apenas em 2016. A meta do governo é de 4,5%, com tolerância de dois pontos percentuais para cima, o teto da meta (6,5%). Ao elevar a taxa, o Copom tenta conter a demanda, que eleva os preços, e estimular a poupança. 

Na visão do mercado, a estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) também foi reduzida, ampliando a expectativa de recessão para este ano e 2016. Na semana passada, o prognóstico era de queda da atividade da ordem de 2,01% e passou para recuo de 2,06% hoje. Para 2016, o pessimismo com relação ao País também aumentou, passando de -0,15 (semana passada), para -0,24%, na terceira semana de queda da expectativa.

Já a estimativa da Selic, segundo o boletim Focus, é de que a taxa fique em 14,25% ao ano em 2015 e passará a ser reduzida em 2016, para 12%. 

O Focus prevê que o dólar termine o ano valendo R$ 3,50 – elevando a expectativa pela quinta semana consecutiva. Na semana passada, o documento estimava o preço da divisa em R$ 3,48. Para 2016, a estimativa se manteve em R$ 3,60.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.