Tamanho do texto

Alteração dos limites foi adotada para atender ao aumento da demanda dos bancos e financeiras por títulos do governo

A Secretaria do Tesouro Nacional revisou os limites da dívida pública federal de 2015, definidos no plano anual de financiamentos (PAC), passando a considerar o nível mínimo de R$ 2,65 trilhões e o nível máximo de R$ 2,8 trilhões, informou o coordenador de Operações da Dívida Pública, da Secretaria do Tesouro Nacional, José Franco,

Os limites anteriores estavam situados entre R$ 2,45 trilhões e R$ R$ 2,6 trilhões.

Cenário de juros em alta faz crescer apetite por títulos que tenham garantia do Tesouro Nacional
Getty Images
Cenário de juros em alta faz crescer apetite por títulos que tenham garantia do Tesouro Nacional

Ao dar a informação, José Franco disse que a alteração dos limites mínimo e máximo do endividamento público foi adotada para atender ao aumento da demanda dos bancos e financeiras por títulos do governo.

“Isso não é de forma alguma coisa ruim”, acrescentou José Franco. Disse também que a divulgação dos novos limites dão “previsibilidade e transparência [da gestão da dívida pública] aos agentes financeiros”. Explicou que, em um cenário de juros em alta, cresce o apetite por títulos que tenham a garantia do Tesouro Nacional, entre eles os títulos da dívida pública.

Segundo ele, a maior demanda dos leilões de títulos públicos, verificada ao longo do ano, é fator que contribui para que o governo tenha folga para refinanciar a divida pública. “Isso favorece a estratégia para [que o governo possa administrar] o estoque da dívida pública federal”, acrescentou.

Segundo ele, dentro da estratégia de endividamento por meio dos títulos da dívida pública, o Tesouro Nacional tem buscado emitir volumes superiores à necessidade de financiamento do mercado, visando auxiliar a redução do excesso de liquidez do sistema bancário.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.