Tamanho do texto

Levantamento mostrou que passagem mais barata e apenas de ida ao Acre custava entre R$ 1.500 e R$ 1.700

Os presidentes das companhias aéreas TAM, GOL e Azul serão chamados a explicar na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) os altos preços cobrados por passagens aéreas até cidades da Região Norte. A audiência pública com os dirigentes das empresas foi proposta por Jorge Viana (PT-AC), em requerimento aprovado nesta terça-feira (18) e também assinado por Flexa Ribeiro (PSDB-PA) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

TAM, GOL e Azul participarão de audiência pública que abordará a oferta de linhas aéreas para a Região Norte e o mercado da aviação regional
Divulgação
TAM, GOL e Azul participarão de audiência pública que abordará a oferta de linhas aéreas para a Região Norte e o mercado da aviação regional

Para Jorge Viana, as pessoas que vivem na Amazônia, em especial os moradores do Acre, são submetidos a preços abusivos quando precisam comprar um bilhete aéreo. Para aquela população, frisou o senador, esse tipo de transporte não é opção de locomoção, mas “a única possibilidade de integração com o país”.

"A passagem mais barata e apenas de ida ao Acre custa entre R$ 1.500 e R$ 1.700, em levantamento que fizemos. No mesmo período, constatamos que é mais barato uma ida e volta para Tóquio do que uma ida para o estado do Acre. É mais barato uma ida a qualquer país da União Europeia do que uma volta de Rio Branco a Brasília. É inadmissível que a população brasileira tenha seu direito constitucional de ir e vir cerceado pelo preço abusivo das passagens aéreas", afirmou Viana.

A audiência pública abordará a oferta de linhas aéreas para a Região Norte e o mercado da aviação regional.  Além dos presidentes das companhias, Jorge Viana sugere a participação de Marcelo Pacheco dos Guaranys, presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ele acatou ainda sugestão de Flexa Ribeiro para convite ao ministro chefe da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.