Tamanho do texto

Ministro da Fazenda foi cuidadoso no comentário e disse apenas que a declaração da Moody's foi bastante detalhada

Joaquim Levy, ministro da Fazenda: comentário ameno sobre a decisão da agência Moody's
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Joaquim Levy, ministro da Fazenda: comentário ameno sobre a decisão da agência Moody's

O rebaixamento da nota do Brasil pela agência de classificação de risco Moody's ocorreu de forma transparente e indica caminhos para o País melhorar a administração da dívida pública, segundo avaliação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

“Acho que a declaração da Moody's explica exatamente os pontos que ela achou relevante. É uma declaração bastante detalhada, transparente e trata da indicação das prioridades que a gente deve ter em relação a manter a qualidade da dívida pública”, afirmou Levy, ao deixar o Ministério da Fazenda.

Durante duas horas, o ministro participou de reunião com o presidente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Murilo Portugal, e os presidentes dos principais bancos do País. Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda, eles debateram a conjuntura econômica atual. Não foram fornecidos mais detalhes do encontro.

Os banqueiros saíram sem falar com os jornalistas e não comentaram o rebaixamento do Brasil. 

A redução da nota do Brasil foi divulgada nesta terça-feira (11). A Moody's reduziu a nota de crédito de Baa2 para Baa3. A agência também mudou a perspectiva da nota de negativa para estável. Com a alteração na nota, o País mantém o grau de investimento, conferido a países considerados seguros para investir, mas fica a um degrau de ser rebaixado para o grau especulativo, referente a países com qualidade de crédito questionável.

Segundo nota divulgada pela Moody's, os motivos para o rebaixamento da nota são a performance econômica abaixo do esperado, a tendência de crescimento dos gastos governamentais e a falta de consenso político sobre as reformas fiscais.

Leia também:

Como funcionam as agências de classificação de risco

Brasil 'já deveria ter sido rebaixado', diz economista que previu crise de 2008

Para a agência, esse conjunto de fatores “impedirá que as autoridades alcancem superávits primários altos o suficiente para reverter a tendência de débito crescente neste ano e no próximo e desafiará sua habilidade de conseguir fazê-lo mais tarde”.

No fim de julho, a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) já havia anunciado mudança da perspectiva da nota de crédito brasileira de estável para negativa. Assim como a Moody's, a redução também deixou o Brasil apenas uma nota acima do grau de investimento.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.