Tamanho do texto

Trabalhadores foram avisados por telegrama do desligamento no último sábado; paralisação é por tempo indeterminado

Agência Brasil

Metalúrgicos da GM durante assembleia que decidiu pela greve por tempo indeterminado
Roosevelt Cássio/SindMetalSJC - 10.8.15
Metalúrgicos da GM durante assembleia que decidiu pela greve por tempo indeterminado

Os metalúrgicos da fábrica da General Motors (GM) , em São José dos Campos, no interior de São Paulo, iniciaram nesta segunda-feira (10) greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia, no começo da manhã e tem o objetivo de pressionar a montadora para abrir negociações e rever as demissões anunciadas no sábado (8).

De acordo o sindicato da categoria, compareceram à assembleia mais de 4 mil trabalhadores dos 5,2 mil que atuam na unidade onde são produzidos os modelos S10 e Trailblazer, além de motores, transmissão e kits para exportação (CKD). O número exato de demitidos ainda não foi informado pela GM, mas pelo menos 250 metalúrgicos teriam sido informados por telegrama do seu desligamento da empresa.

Para esta segunda-feira (10) estava previsto o retorno de 798 empregados que estavam afastado pelo sistema lay-off (suspensão temporária dos contratos do trabalho) desde 9 de março. Estes metalúrgicos não estão entre os demitidos porque têm estabilidade garantida por mais três meses.

“Fomos surpreendidos na véspera do Dia dos Pais com essa ação unilateral da GM e queremos que esse processo seja revertido porque a montadora ainda tem muita gordura para queimar”, justificou Renato de Almeida, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos.

Leia também:

- GM demite trabalhadores por carta e sindicato promete reverter a medida

- Donas de Brastemp e Friboi e montadoras dão férias coletivas

- Montadoras aguardam definições antes de aderir a plano de emprego

Ele informou que pretende pedir uma reunião com a diretoria da GM para discutir uma solução para crise no emprego. Segundo o sindicalista de janeiro até agora, as montadoras instaladas no Brasil já cortaram mais de 8 mil postos de trabalho. “Não podemos aceitar que os trabalhadores sejam penalizados e que paguem o preço dessa crise política e econômica”, defendeu.

O líder sindical disse que além dos piquetes para convencer os metalúrgicos dos demais turnos a cruzarem os braços, a categoria poderá fazer também passeatas.

Mercado caiu 30%, diz GM

Por meio de nota, a GM afirmou que a greve na unidade da empresa em São José dos Campos, “só contribui para agravar a séria crise que afeta hoje a GM e a indústria automotiva”.

A empresa justificou que tem procurado evitar as demissões recorrendo a férias coletivas, layoffs e programas de desligamento voluntário. “No entanto, essas medidas não foram suficientes diante da expressiva redução da demanda no mercado brasileiro, que registra queda em torno de 30% desde janeiro do ano passado”, aponta o comunicado.

Ainda segundo a nota, os desligamentos visam a adequar o quadro da empresa à atual realidade do mercado, com o propósito de resgatar a competitividade e viabilidade do negócio. A montadora lamentou a decisão do sindicato de convocar a greve e argumentou que se mantém disponível para dialogar e encontrar alternativas para manter a unidade competitiva em um contexto de grande transformação no mercado brasileiro.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.