Tamanho do texto

Empresa vai abrir nova linha de produção de jatos na Flórida; sindicato teme por centenas de empregos no interior de SP

A Embraer confirmou nesta sexta-feira (7) que vai abrir uma nova linha de produção dos modelos de jatos executivos Legacy 450/500 na Flórida, nos Estados Unidos. Atualmente, a produção se concentra no interior de São Paulo, fato que preocupa o Sindicato dos Metalúrgicos São José dos Campos por conta de 800 empregos diretos que poderiam ser perdidos com uma migração da totalidade da operação. 

Produção do Legacy nos EUA vai custar cerca de 5 mil empregos no País, diz VP do Sindicato
Divulgação
Produção do Legacy nos EUA vai custar cerca de 5 mil empregos no País, diz VP do Sindicato

Procurada pelo iG , a empresa informou por meio da assessoria de imprensa que as linhas existentes no interior de São Paulo serão mantidas em um primeiro momento, mas deixou em aberto o futuro das suas linhas de operação no País. "O futuro balanceamento do volume de produção entre as duas linhas dependerá das condições de mercado", diz trecho da nota.

Leia mais: Em São José dos Campos, GM convoca funcionários em lay-off para retorno ao trabalho

O mal-estar começou no início da tarde desta sexta-feira (7), quando a entidade dos metalúrgicos emitiu comunicado à imprensa dizendo que vai procurar a empresa para saber detalhes da operação, noticiada por alguns veículos como uma "transferência de linha de produção". No entanto, mesmo após a Embraer desmentir a mudança imediata, o vice-presidente do sindicato, Herbert Claros da Silva, prometeu pressionar a diretoria da empresa.

"Não é o que dizem os trabalhadores dentro das fábricas. O que se diz por lá é que a linha está se mudando para os Estados Unidos, e nós queremos que nos seja entregue por escrito a garantia de que isso não vai acontecer", afirmou. "A transferência do Phenom [outro modelo de aeronave], começou assim. A Embraer só nos comunicou um mês depois de ter a decisão tomada, só quando o sindicato foi em cima".

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos São José dos Campos, somando a operação perdida com o Phenom e a possível total migração da produção dos modelos Legacy podem representar a perda de aproximadamente 5 mil empregos (entre diretos e indiretos).

Em abril deste ano, trabalhadores protestaram contra projeto das terceirizações na Embraer
Tanda Melo/Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região
Em abril deste ano, trabalhadores protestaram contra projeto das terceirizações na Embraer

Relembre: Protestos contra terceirização em SP têm adesão de funcionários da Embraer

Ainda segundo a assessoria da Embraer, a ampliação da estrutura produção dos Legacy na Flórida foi comunicada pela empresa ainda em 2013. No entanto, a afirmação do presidente Marco Túlio Pellegrini nesta sexta-feira (7) à "Reuters" incomodou o sindicato. O executivo disse que "o novo Legacy 450 dará à companhia maior exposição ao crescente mercado de jatos executivos dos Estados Unidos".

"É um crime isso que estão fazendo. A produção do Legacy só é possível por conta de pesquisa, tecnologia e trabalho da mão-de-obra nacional", completou Silva, acrescentando que protestos já estão sendo articulados para a próxima semana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.