Tamanho do texto

Efeito suspensivo derruba liminar conseguida pela Sadia, na semana passada; empresa informou que não comentará o caso

A Seara (marca do grupo JBS) conseguiu na Justiça, nesta segunda-feira (13), o direito de voltar com a circulação do anúncio televisivo no qual faz alusão ao tradicional "S" da concorrente Sadia (da BRF). O efeito suspensivo que derruba a liminar conseguida pela Seara, na semana passada, foi emitido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Seara (JBS Brasil) continua estratégia agressiva de marketing na busca pelo mercado
Reprodução
Seara (JBS Brasil) continua estratégia agressiva de marketing na busca pelo mercado

Na decisão, o juiz Gastão Toledo de Campos Mello Filho destacou que o caso é passível de "prejuízos de problemática reparação" para a Seara. "Ressalto, além do mais, que, em princípio, a publicidade comparativa é admitida", escreveu, lembrando a concretização do princípio da livre concorrência.

Ao iG , a Sadia informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não comentaria o êxito do efeito suspensivo da concorrente. Essa vem sendo a postura da empresa desde o início do caso, apesar de ter entrado na Justiça para impedir a veiculação do comercial.

Leia mais: Sadia consegue “derrubar” comercial da Seara na Justiça

A polêmica do S

Na peça publicitária assinada pela WMcCann, um fatiador de supermercado pergunta a uma cliente qual seria a marca do presunto escolhido. Em seguida, os filhos da mulher intervêm dando dicas: "Começa com “S” e termina com "A". A campanha ainda convoca o cliente a "sair do automático" e experimentar o novo produto, numa referência clara a campanha tradicional da Sadia, que usa o S.

O comercial faz parte do plano estratégico agressivo da Seara para ganhar mercado. Após o reposicionamento da marca ainda no início de 2014, com a jornalista e apresentadora Fátima Bernardes no posto de embaixadora, a empresa da JBS vem crescendo nas vendas. De acordo com o departamento de marketing da companhia, neste período o volume dos produtos comercializados chegou a dobrar em capitais como São Paulo.

Veja também: Campanhas polêmicas ou de gosto duvidoso de 2015