Tamanho do texto

Índice é 2,5 pontos maior que o teto da meta para o ano; estimativa do crescimento da economia também piora

BC desistiu de atingir a meta, de 6,5%, em 2015
Divulgação/BCB
BC desistiu de atingir a meta, de 6,5%, em 2015

Instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo  Banco Central (BC) esperam que a inflação , este ano, chegue a 9%. A estimativa anterior era 8,97%. Essa foi a 11ª elevação seguida na estimativa e alcançou a projeção do próprio BC, divulgada na semana passada. Para 2016, a estimativa segue em 5,50%, há seis semanas consecutivas.

Essa projeção do mercado financeiro consta do boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (29) pelo BC. O boletim reúne projeções sobre o comportamento dos principais indicadores da economia.

Leia também:

- Inflação estará longe da meta no fim de 2016, analisa BC

- Inflação alta turbina investimentos em Tesouro Direto

- Ferramenta 50 vezes mais rápida faz empresa faturar mais de R$ 1 milhão

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, tem como centro 4,5% e limite superior de 6,5%. O BC já desistiu de entregar a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), na meta, este ano. O BC tem dito que deve alcançar a meta somente em 2016. Mas como as expectativas para a inflação no próximo ano ainda estão acima do centro da meta, o BC tem sinalizado que deve subir novamente a taxa básica de juros, a Selic , que já passou por seis altas seguidas. Atualmente, a Selic está em 13,75% ao ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda, que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica a economia, que atravessa um ano de recessão, com queda na produção e no consumo.

Veja os produtos que mais subiram em 2014

Previsão para o PIB piora

A expectativa das instituições financeiras para a queda da economia, este ano, passou de 1,45% para 1,49%. Essa é a sexta piora seguida na estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) , soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Para o próximo ano, a projeção de crescimento caiu de 0,7% para 0,5%. Na avaliação do mercado financeiro, a produção industrial deve ter uma queda de 4%, este ano e crescimento de 1,5%, em 2016.

A pesquisa do BC também traz a projeção para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que subiu de 7,31% para 7,37%, este ano. Para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a estimativa segue em 7%, em 2015. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) subiu de 8,45% para 8,58%, este ano.

A projeção para a cotação do dólar permanece em R$ 3,20, ao final de 2015, e caiu de R$ 3,40 para R$ 3,37, no fim de 2016.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.