Tamanho do texto

Medida foi tomada após corrida dos gregos aos bancos para retirar dinheiro diante da incerteza da situação financeira

Alexis Tsipras, líder do partido radical Syriza, chegou ao poder na Grécia ao propor medidas antiausteridade, de dificil implementação
AP Photo
Alexis Tsipras, líder do partido radical Syriza, chegou ao poder na Grécia ao propor medidas antiausteridade, de dificil implementação

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou que os bancos gregos estarão fechados na segunda-feira (29). Ele assegurou que estão garantidas as poupanças, salários e pensões dos cidadãos. A medida foi tomada após uma corrida dos gregos aos bancos para retirar dinheiro diante da incerteza da situação financeira da Grécia.

Na maioria dos caixas multibanco do centro de Atenas neste domingo (28) não havia mais dinheiro disponível, enquanto as filas cresciam.

Leia mais:  BC Europeu mantém empréstimos de urgência a bancos gregos

Conheça 5 números da crise grega

Referendo na Grécia perde o sentido com fim do resgate na terça-feira, diz FMI

A Grécia termina na terça-feira (30) o seu programa de resgate e o Eurogrupo recusou alargar o prazo até ser conhecido o resultado do referendo aprovado pelos gregos e agendado para o dia 5 de julho. No referendo, o povo grego vai dizer se aceita ou não as condições dos credores internacionais para um acordo com Atenas.

O Banco Central Europeu anunciou hoje ter decidido manter os empréstimos de emergência aos bancos gregos nos atuais níveis, enquanto o banco nacional grego se comprometeu a adotar todas as medidas necessárias para garantir a segurança financeira.

O Fundo Monetário Internacional reafirmou também o empenho em continuar a colaborar com as autoridades gregas, embora manifestando desapontamento com os resultados inconclusivos das negociações entre Atenas e os credores internacionais.

Credores e governo grego tentam solução

No sábado (27), os Ministros das Finanças da zona do euro reuniram-se, em Bruxelas, em reunião dedicada à Grécia, mas marcado pelo anúncio, em Atenas, da convocação de um referendo sobre as propostas dos credores, no dia 5. O grupo havia dito não à proposta da Grécia de prorrogar o programa de resgate.

O programa de resgate para a Grécia vai expirar na terça-feira, quando o país terá de pagar US$ 1,6 bilhão a um dos principais credores, o Fundo Monetário Internacional (FMI). O governo de Atenas pediu uma extensão do prazo para que tivessem tempo hábil de fazer um referendo no dia cinco de julho.

Tsipras, do partido de esquerda grego Syriza, venceu as eleições com uma plataforma antiausteridade, por entender que as medidas impostas pela União Europeia para pagamento da dívida pública – origem de toda a crise grega – já havia punido a população de maneira geral, com arroxo salarial, retirada de benefícios sociais, elevação da idade para aposentadoria, entre outras questões. 

Segundo fontes diplomáticas – antes do anúncio da intenção de Tsipras, de convocar um referendo –, se houvesse acordo e se o Parlamento grego passasse as medidas no domingo (28) ou na segunda-feira (29), seriam desbloqueados imediatamente para a Grécia 1,8 milhão de euros de lucros que o BCE fez com a dívida pública grega, a tempo de Atenas pagar o dinheiro devido ao FMI.

A proposta dos credores, ora em vigor, passa pela extensão do atual programa de resgate, com mais financiamento até novembro, mas com a reformulação das medidas de austeridade, o que reforçaria ainda mais a austeridade.

No total, poderão ir para os cofres gregos € 15,5 bilhões (R$ 54,06 bilhões) nos próximos cinco meses para que a Grécia cumpra as obrigações financeiras com o FMI e o BCE, mas a liberação desse dinheiro, em parcelas, será condicionada à execução das medidas eventualmente acordadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.