Tamanho do texto

Efeito da 'decolagem vertical' foi devido ao ângulo em que as imagens foram captadas para vídeo promocional da empresa

Boeing 787-9 em decolagem quase vertical
Reprodução
Boeing 787-9 em decolagem quase vertical

O vídeo de divulgação da Boeing para o Paris Air Show, que acontece de 15 a 18 de junho na capital francesa, fez muito barulho na internet devido a uma decolagem bastante arrojada de um modelo 787-9. Postado no canal da companhia no Youtube no último dia 11, a sequência já acumulava quase 9,5 milhões de visualizações até o início da tarde desta quarta-feira (17).

Leia também:  Passageiros elegem as melhores companhias aéreas do mundo

Ao espectador, o vídeo deixa a impressão de que a aeronave atingia 90 graus de amplitude em relação ao solo logo após a decolagem. Diversos veículos de imprensa reproduziram, o assunto ganhou fóruns de discussões e posts de especialistas, mas a dúvida continou: é possível um avião decolar daquela maneira?

O iG conversou com o VP de operações de vôo da Boeing, Craig Bomben, e checou que tudo se tratava apenas de um vídeo promocional, e que a aeronave não consegue atingir tamanha amplitude. "São movimentos incríveis, mas não é possível se chegar a 90 graus", disse. O efeito da "decolagem vertical" foi apenas devido ao ângulo em que as imagens foram captadas.

Assista: Boeing faz decolagem que parece vertical em vídeo promocional

Bomben contou que nenhuma alteração especial – como retirada de assentos  ou outros componentes do avião – foi realizada. No entanto, ele fez questão de enfatizar o caráter demonstrativo das manobras realizadas no vídeo. De acordo com o executivo, manobras como aquelas são "muito perigosas" e desaconselháveis em caso de um avião com passageiros. 

"Nos preparamos muito para fazer aquele voo com a tripulação", explicou, descartando também o rumor de que um dos intuitos da decolagem quase na vertical seria o de favorecer pistas menores.

A linha 787 opera regularmente em diversas companhias, com mais de 200 aviões. No Brasil, voos diários – e sem "decolagens verticais" – do Boeing saem de São Paulo para Estados Unidos, América Latina e África.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.