Tamanho do texto

Informação está na fanpage do empresário no Facebook

Empresário Olacyr de Moraes
Facebook/Reprodução
Empresário Olacyr de Moraes

O empresário Olacyr de Moraes, 84 anos, morreu nesta madrugada de terça-feira (16), em São Paulo, vítima de câncer de pâncreas, descoberto no início de 2014. 

"É com profunda tristeza que comunicamos o falecimento do empresário Olacyr de Moraes, 84 anos, na manhã desta terça-feira, 16 de Junho de 2015, às 3:40 horas da manhã na cidade de São Paulo. Olacyr lutou bravamente contra um câncer de pâncreas descoberto no início de 2014 mas acabou sucumbindo à doença", informa o perfil administrado pela Agência Linque.

Leia mais:  Raízen desiste de comprar Usinas Itamarati

De Olacyr: "Deixei todos os meus filhos milhardários"

Média salarial em empresas é menor que na administração pública, aponta IBGE

Olacyr de Moraes nasceu em Itápolis (SP), no dia 1º de abril de 1931. Aos oito anos seus pais se mudaram para a capital e já aos 14 anos Olacyr começou a trabalhar auxiliando o pai que era vendedor de máquinas de costura. 

O empresário ganhou fama e o apelido de 'o rei da soja' por se tornar o maior produtor mundial desse grão, ajudando a elevar o Brasil à posição de um dos maiores produtores agrícolas do planeta. 

Criou, em 1957 com o irmão, a empresa Constran (construtora e transportadora), que atuou na área de infraestrutura. O sucesso da empreitada permitiu que Olacyr diversificasse as atividades, chegando a ter 40 empresas em ramos diversos, como mineração, agronegócio, pecuário, geração de energia, financeiro, implementos agrícolas, armazenamento e estocagem de alimentos, ferroviário. No ramo financeiro, foi dono do Banco Itamarati, que na década de 1980 foi vendido ao BCN, para evitar a falência. 

Também foi recordista individual em plantação de milho no Brasil. Suas fazendas em conjunto com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolveram um novo tipo de grão de soja mais adaptado ao solo do cerrado e uma nova espécie de algodão que fez o Brasil passar de importador a exportador desse produto. Foi o mais jovem brasileiro a ter um patrimônio superior a US$ 1 bilhão, segundo a revista Forbes.

Em 22 de abril, publicou no Facebook uma foto com enfermeiras que o assistiam.
Reprodução/Facebook
Em 22 de abril, publicou no Facebook uma foto com enfermeiras que o assistiam. "Essas são as simpáticas enfermeiras que me acompanham e cuidam de mim com muito carinho"








O "rei da soja" fez fortuna à frente da construtora Constran e da Usina Itamarati, fundada em 1980 para aproveitar os estímulos do programa federal Proálcool (de estímulo para os produtores do combustível, um fracasso que levou a grandes filas nos postos de combustível em meados dos anos 1980). Na primeira colheita, a Itamarati decidiu entrar no ramo de açúcar, mas as dívidas levaram a empresa à beira da falência, em 2004, quando a Fazenda Itamarati foi vendida ao INCRA, para assentamento do MST.

Foi investidor da ferrovia Ferronorte (proposta pelo escritor Euclides da Cunha, em 1901), primeira executada pela iniciativa privada no País, que visava funcionar como corredor de escoamento de grãos produzidos na região Norte e Centro-Oeste para o porto de Santos (SP). Para viabilizar o negócio, foi acordado que o governo do Estado de São Paulo ergueria uma ponte sobre o Rio Paraná ligando Mato Grosso a São Paulo e Olacyr construísse a ferrovia. Mas o governo do Estado de São Paulo, não investiu o acordado. Somente depois de quase oito anos após uma intervenção do governo federal a ponte ficou pronta gerando um enorme prejuízo ao grande investimento feito por Olacyr de Moraes. No mesmo período a Constran ficou sem receber de governos estaduais que promoviam diversas obras públicas de grande porte.

Em 2011, Moraes descobriu uma jazida de tálio em Barreiras (BA), colocando o Brasil no grupo de produtores desse metal. Os únicos produtores de tálio até então eram a China e o Cazaquistão. As aplicações mais comuns são ligadas ao setor de inseticidas e venenos para roedores.

Veja frases de Olacyr de Moraes:





    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.