Tamanho do texto

Figuras como o espanhol Amâncio Ortega, dono da maior rede de varejo de roupas do mundo, conquistaram sucesso nos negócios enxergando oportunidades que a maioria não vê

Há poucos dias, a Bloomberg divulgou a lista dos homens mais ricos do mundo. Entre os integrantes do ranking da agência de notícias, muitos têm em comum o fato de ter começado a sua trajetória do nada, com muito pouco ou nenhum capital. Mesmo tendo pouco dinheiro no bolso, eles conseguiram alcançar sucesso por conta de sua visão de futuro e o talento para enxergar oportunidades e negócios onde a maioria não consegue. 

Segundo lugar na lista da Bloomberg e com uma fortuna estimada em US$ 71,5 bilhões, o espanhol Amancio Ortega é uma dessas pessoas. Ele modificou para sempre o mundo da moda, criando a Zara, a maior rede varejo de roupas do mundo.

A famosa marca criada Ortega sacudiu o mercado ao colocar rapidamente nas araras de sua loja as últimas tendências do mercado da moda, a preços muito mais acessíveis do que o das cadeias de luxo. As lojas da Zara pelo mundo são abastecidas pelo menos duas vezes por semana com itens novos, algo impensável  no mercado antes do surgimento dela. 

Leia também:  Italiano fatura milhões após 'aprender' a ser médico em favela do Rio


Ortega nasceu numa família de classe média baixa no noroeste da Espanha. O pai dele era um ferroviário. O seu primeiro encontro com o mundo da moda foi aos 14 anos, quando ele começou a trabalhar numa camisaria. Era o primeiro passo do surgimento de um império do têxtil. 

O empreendedorismo de começar do zero aparece inclusive em quem nasceu numa família com boa condição econômica,  como aconteceu com o bilionário mexicano Carlos Slim, quarto na lista  da Bloomberg e dono de uma fortuna de US$ 66,9 bilhões. 

Slim começou a trabalhar aos 8 anos, ajudando no comércio do pai. Aos 12, ele fazia questão de registrar seus ganhos no próprio caderno de contabilidade. Três anos depois, o mexicano já tinha uma boa quantidade de ações do Banco Nacional Mexicano. 

Durante toda a sua trajetória, Slim seguiu um valoroso conselho do pai comerciante: "tenha sempre uma reserva para aproveitar boas oportunidades de negócios".  Assim, ele ficou famoso por comprar negócios decadentes e transformá-los em empresas lucrativas.

Atualmente, Slim é dono de império de telecomunicações, a América Móvil, o maior grupo da América Latina em telefonia celular. No Brasil, o mexicano controla as operadoras Claro e Embratel e a NET, maior empresa de TV a cabo do País. 

Um estudo recente da PricewaterhouseCooper apontou traços de figuras como Slim e Ortega, que se fizeram bilionários do nada. Segundo o levantamento, figuras como eles obtêm sucesso partindo do zero porque conseguem prosperar em meio a grandes mudanças e turbulências no cenário dos negócios. 

Cauteloso na hora de investir, este tipo de empresário têm perseverança e paciência para esperar a hora certa de investir num negócio que pode faturar bilhões. Se colocando na pele do consumidor médio, os futuros bilionários são altamente criativos e encontram soluções inovadoras ao meter a mão na massa, de acordo com o levantamento da PricewaterhouseCooper. 

Veja mais histórias de bilionários na galeria acima. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.