Tamanho do texto

Com sede em Xangai, novo banco de desenvolvimento terá Paulo Nogueira Batista Júnior; economista deixará FMI

Agência Brasil

O economista Paulo Nogueira Batista Júnior assumirá a vice-presidência do Novo Banco de Desenvolvimento. Também conhecida como Banco do Brics, a instituição terá sede em Xangai e financiará projetos de infraestrutura e de desenvolvimento sustentável nos países do grupo – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – e em outras nações em desenvolvimento.

Banco de fomento dos Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, terá US$ 50 bilhões de capital inicial
Roberto Stuckert Filho/PR
Banco de fomento dos Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, terá US$ 50 bilhões de capital inicial

Atualmente, Batista é diretor-executivo do Brasil e de mais dez países no Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington. No organismo internacional, ele participou das discussões sobre as reformas de cotas que trarão mais poderes para países emergentes dentro do FMI.

De acordo com o Ministério da Fazenda, Batista deixará o FMI nos próximos dias e se mudará para Xangai, onde se integrará à equipe que monta a estrutura administrativa do novo banco, encarregada de implementar a instituição financeira, que deverá iniciar as operações em janeiro. Conforme acordo entre os países do Brics, a presidência ficará com a Índia e cada país do grupo indicou um vice-presidente.

Com participação no trabalho preparatório para a criação do Banco do Brics, Batista foi um dos principais representantes do governo brasileiro na elaboração dos acordos de criação da instituição, firmados em julho do ano passado, durante a 6ª Reunião de Líderes do Brics em Fortaleza.

Leia tambémColocar novas instituições para funcionar é desafio do Brics, diz FMI

O banco tem capital inicial de US$ 50 bilhões, divididos em partes iguais de US$ 10 bilhões entre os cinco países fundadores, que terão o mesmo poder de voto. No entanto, o banco está aberto a todos os países membros das Nações Unidas, com os países em desenvolvimento podendo tornar-se sócios tomadores de empréstimos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.