Tamanho do texto

Para o economista Carlos Langoni, "a crise está empurrando o Brasil para um caminho de eficiência, baseado não no governo, mas no setor privado”

O ajuste fiscal é uma fase de transição e, para superá-lo, o Brasil vai precisar de uma agenda positiva em que a iniciativa privada terá um papel maior, disse nesta segunda-feira (8) o diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Carlos Langoni.

Leia mais:  Veja os 15 carros usados mais negociados em maio

Produção de carros cai 3,4% em maio

"Existe vida após o ajuste. O Brasil vai sobreviver, ultrapassar essa fase de transição. E o grande desafio é como retomar os investimentos, porque sem isso não há crescimento", afirmou Langoni, ao participar do seminário Brasil: Perfil de Competitividade, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Ele defendeu uma economia que estimule mais investimento privado. “A crise está empurrando o Brasil para um caminho de eficiência, baseado não no governo, mas no setor privado.”

Para Carlos Langoni, concessão feita pelo governo é uma privatização envergonhada
AP
Para Carlos Langoni, concessão feita pelo governo é uma privatização envergonhada

Ao economista afirmou que a adoção de concessões para atrair o investimento privado, e comparou-as às privatizações. "A concessão é uma privatização envergonhada. Uma concessão de 25 anos, renovável por mais 25, é uma privatização".

O vice-presidente da Federação das Indústrias do Rio, Carlos Mariani, destacou dificuldades da indústria e pediu a desoneração da produção, com redução da carga tributária e da burocracia. Mariani defendeu também a regulamentação das terceirizações e disse que a medida vai resolver o problema da insegurança jurídica.

O projeto de lei que prevê a regulamentação das terceirizações, inclusive na atividade-fim das empresas, sofre forte oposição de sindicatos, que veem precarização das relações de trabalho com a medida.

Fernando Blumenschein, economista da FGV, apresentou um estudo sobre a competitividade. Segundo ele, a pesquisa mostra acentuadas disparidades entre as microrregiões brasileiras e também entre setores da economia.

Apesar disso, quando são analisados todos os setores e dimensões da competitividade de cada microrregião, é possível identificar pontos fortes que podem nortear políticas públicas, disse Blumenschein. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.