Tamanho do texto

Preços devem subir 8,37% em 2015, acima do teto de 6,5%, segundo estimativa de instituições financeiras ouvidas pelo BC

Preços administrados, como a gasolina, devem subir 13,7% em 2015, segundo o boletim Focus
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Preços administrados, como a gasolina, devem subir 13,7% em 2015, segundo o boletim Focus

O Banco Central (BC) informou nesta segunda-feira (25) que analistas e investidores do mercado financeiro elevaram a previsão de fechamento da Selic , taxa básica de juros da economia, para 2015. A projeção passou de 13,5% para 13,75% ao ano.

Dica:

- Veja como se apaixonar pela segundas

A estimativa para a taxa básica está no boletim Focus, pesquisa semanal do BC junto a instituições financeiras. Os analistas ouvidos pelo Focus também voltaram a elevar a previsão de fechamento da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2015. A estimativa de alta, que estava em 8,31%, agora é 8,37%.

Leia também:

- Taxa básica de juros sobe para 12,75% e chega ao nível de janeiro de 2009

- Economia encolhe 2,7% em março, mostra prévia do PIB

O IPCA, considerado o índice oficial de inflação do país, é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e utilizado pela autoridade monetária para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos pelo sistema de metas de inflação. Além do IPCA, o mercado ampliou a previsão de alta para os preços administrados, como o da energia e da gasolina, de 13,5% para 13,7%.

Os analistas também preveem uma queda maior do  Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país). A estimativa para o PIB na semana anterior era 1,2%. Nesta semana, a previsão é recuo de 1,24% em 2015. Já a projeção de queda da produção industrial permaneceu em 2,8%. A estimativa para o câmbio ao fim de 2015 continuou em R$ 3,20.

A expectativa para a dívida líquida do setor público ficou em 37,9% do PIB. A projeção do déficit em conta-corrente, que mede a qualidade das contas externas, subiu de US$ 82,4 bilhões para US$ 83,8 bilhões. O saldo projetado para a balança comercial permanece positivo em US$ 3 bilhões. Os investimentos estrangeiros estimados subiram de US$ 61 bilhões para US$ 65,5 bilhões.

Em imagens: os fatos que marcaram a economia em 2014