Tamanho do texto

Comitê de Política Monetária justificou o aumento da Selic com base no comportamento da inflação, em trajetória de alta

Banco Central: governo ainda tem como objetivo baixar a inflação
Arquivo/ Agência Brasil
Banco Central: governo ainda tem como objetivo baixar a inflação

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), anunciou na noite desta quarta-feira (29) o aumento da taxa básica de juros (Selic) de 12,75% ao ano para 13,25% ao ano.

A 13,25% ao ano, a Selic ultrapassa o patamar de janeiro de 2009, quando a taxa estava em 12,75%.

A decisão foi tomada por unanimidade e sem viés de alta (que indica a provável manutenção da taxa atual na próxima reunião do comitê). O Banco Central decidiu adotar uma política mais rigorosa de controle da inflação por meio da alta da Selic em maio de 2013, quando a taxa passou de 7,25% para 7,50%. Segundo a nota divulgada pelo Copom, a decisão foi tomada "avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação".

Para o consumidor, a oscilação da Selic influencia os juros cobrados em operações de crédito, como o rotativo no cartão e cheque especial. A alta de hoje torna ainda mais difícil, por exemplo, a vida de quem pretende tomar empréstimo bancário para comprar um imóvel. No início da semana, a Caixa Econômica Federal anunciou mais restrições no financiamento habitacional de usados. Antes disso, o banco estatal, o maior em crédito imobiliário, subiu os juros para esse tipo de empréstimo.

Participaram da reunião do Copom Alexandre Antonio Tombini (presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim, Otávio Ribeiro Damaso, Sidnei Corrêa Marques e Tony Volpon.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.