Tamanho do texto

Em alguns casos, municípios de periferia concentram 50% do PIB da região metropolitana, superando as cidades principais

Agência Brasil

Beneficiados pela migração das indústrias do centro para cidades vizinhas, os municípios da periferia das 15 maiores regiões metropolitanas brasileiras aos poucos alcançam desenvolvimento econômico compatível ao das principais cidades. Isso está fazendo com que os municípios que integram grandes centros deixem de ser cidades-dormitório ou bolsões de pobreza.

Os dados estão no estudo do Conselho Federal de Economia (Cofecon). Em alguns casos, os municípios periféricos ultrapassaram os núcleos principais no Produto Interno Bruto (PIB, soma de todas as riquezas produzidas) das regiões metropolitanas. Gradualmente, as cidades principais se especializam na economia de serviços, enquanto os municípios vizinhos adotam perfil industrial.

Leia mais:
PIB brasileiro recuará 0,5% em 2015, prevê entidade

Responsáveis por 40% da população e 50% do PIB nacional, as 15 maiores regiões metropolitanas do País têm nível de desenvolvimento econômico maior ao do restante do país. O PIB per capita dessas regiões é 30% superior à média nacional. “A indústria é o fator decisivo. Onde existe atividade industrial há mais desenvolvimento. A diferença é que esse processo está chegando às periferias”, diz o vice-presidente do Cofecon, Júlio Miragaya, autor do estudo.

Em cinco localidades, revelou o levantamento, os municípios de periferia concentram mais de 50% do PIB da região metropolitana, superando as cidades principais: Campinas, em São Paulo, com 61,2%; Porto Alegre (59,5%); Belo Horizonte (57,0%); Recife (52,7%); e Vitória (52,7%). Em Salvador (45,3%) e Curitiba (43,5%) a participação das periferias metropolitanas se aproxima dos 50%.

Em Santos, no litoral paulista, com 37,2%, Belém (36,3%), São Paulo (35,4%), Goiânia (34,2%) e Rio de Janeiro (32%), as periferias respondem por cerca de um terço da economia das regiões metropolitanas. Em Fortaleza (27,2%), a proporção se aproxima de um quarto. As exceções são Manaus e o Distrito Federal (DF). Sem indústrias nas cidades periféricas, a participação dos mais pobres na economia local cai para 6,2% na capital amazonense e para 5,5% na capital do País.

Trabalhador no setor industrial do País: 50% do PIB se concentra em 15 regiões metropolitanas
Arquivo/Agência Brasil
Trabalhador no setor industrial do País: 50% do PIB se concentra em 15 regiões metropolitanas

As duas cidades, no entanto, têm peculiaridades. Em Manaus a industrialização restringe-se ao pólo da Zona Franca, não atingindo as cidades vizinhas. Além disso, a capital do Amazonas não tem uma região metropolitana. “Não existe a conurbação – fusão de cidades vizinhas – em Manaus, mas cidades isoladas, separadas pela Floresta Amazônica e pelos rios da região. A região metropolitana no Estado foi apenas uma criação das autoridades”, explica Miragaya.

Na capital federal o estudo considerou como periferia 12 municípios de Goiás que integram o entorno do DF. Todo o DF foi considerado núcleo da região metropolitana. “Dentro do próprio DF existem Brasília e as cidades periféricas, mas as estatísticas oficiais só fornecem o PIB dos municípios”, justifica Miragaya. Oficialmente, o DF é um Estado e município ao mesmo tempo.

Em relação ao PIB per capita, quando se divide esse indicador pela população de uma região, o estudo revela equilíbrio entre a periferia e o núcleo das regiões metropolitanas.

Em oito regiões – São Paulo, Recife, Porto Alegre, Fortaleza, Belém, Goiânia, Curitiba e Campinas – o PIB per capita da periferia ficou entre 70% e 95% do registrado nas cidades principais.

Leia também:
Mercado prevê pela 1ª vez queda de 1% no PIB de 2015
Mercado projeta inflação de quase 8% e queda no PIB, aponta boletim Focus
Brasil e Venezuela devem puxar desaceleração de PIB da América Latina, diz FMI

Em Salvador (229,2%) e Belo Horizonte (119,4%), o PIB per capita das cidades periféricas foi maior que o dos núcleos devido ao Pólo Petroquímico de Camaçari, na Bahia, e de municípios fortemente industrializados ao redor da capital mineira, como Betim, Contagem e Nova Lima. Mesmo assim, o autor do estudo ressalta a limitação do PIB por habitante para medir a qualidade de vida.

“PIB per capita não indica qualidade de vida. Na Bahia existe uma indústria intensiva em capital em municípios com população pequena em relação a Salvador. A produção é alta, mas isso não indica necessariamente que o dinheiro é revertido para as populações locais. Na região metropolitana de Belo Horizonte, há, sim, um equilíbrio na qualidade de vida da capital e da periferia”, explica Miragaya.

As regiões que apresentaram as maiores defasagens de desenvolvimento econômico entre a cidade principal e a periferia foram o Rio de Janeiro, onde o PIB per capita da periferia equivale a 52,9% ao da capital fluminense, Manaus (39,8%), Vitória (24,7%), Santos (19,1%) e Brasília (13,7%). No caso da capital federal, o resultado mais uma vez foi influenciado pelos municípios goianos ao redor do DF.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.