Tamanho do texto

Segundo o presidente do banco, instituição o banco observará as cautelas dentro da lei, mas sabendo separar as situações

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho,  disse hoje (23), no Rio de Janeiro, que a instituição seguirá o que determina a lei, no caso de concessão de empréstimos a empresas envolvidas  em escândalos de corrupção no país.

Segundo ele, o banco observará as cautelas  dentro da lei, “mas sabendo separar  as diversas situações, de maneira a não prejudicar  inadvertidamente o sistema empresarial como um todo  por não discriminar diferentes situações”. Segundo ele, o BNDES tem uma orientação jurídica consistente com as leis que regem a matéria “e trabalharemos estritamente dentro da lei”.

Leia mais: Ações do BC fazem dívida cambial atingir maior nível em quase 11 anos

Coutinho disse que foram feitos contratos no passado, “em boa fé”, com algumas das empresas citadas na Operação Lava Jato, mas destacou a necessidade de se  separar claramente  cada caso, porque “existem muitas situações e não podemos dar uma resposta genérica”.  Esse cuidado visa a não incorrer em excesso de zelo, “que pode ser danoso. Então,   é preciso ter um equilíbrio muito grande para cumprir a lei, como o BNDES sempre fez”. Os casos serão examinados separadamente, “mas nós cumpriremos o que a lei determina”.

Conforme o presidente do BNDES, na legislação brasileira, atos jurídicos perfeitos, feitos em boa fé, em geral prevalecem e as empresas que incorreram em desvios  têm mecanismos legais para, por meio de acordos de leniência e várias  outras formas, repor os danos e  pagar multas devidas.

Leia mais: Emissão de títulos faz Dívida Pública Federal subir R$ 53,6 bilhões em novembro

“Nós precisamos  dar um tempo para que esse processo aconteça”. Coutinho disse que nos Estados Unidos, empresas que se viram envolvidas em escândalos têm a chance de ressarcir os danos causados e ficam obrigadas a instalar sistemas  de compliance  (em conformidade)  “para nunca mais repetir o mesmo problema.  E a partir daí, se estabelece um novo período”.

Apesar de  insistir sobre a necessidade  de se aguardar os processos legais devidos no caso das empresas brasileiras envolvidas em casos de corrupção, Luciano Coutinho assegurou que “enquanto isso, teremos a devida cautela nos encaminhamentos (dos pedidos de financiamento)”. Para isso, segundo ele, o BNDES pode recorrer a orientações e consultas aos órgãos nacionais de controle para indagar que procedimento deve seguir dentro da lei.