Tamanho do texto

O levantamento indicou que 27% dos jovens entre 16 e 24 anos reconhecem ir às compras atrás de marcas aprovadas por amigos e parentes

36% dos jovens afirmam satisfação em gastar no ato ao invés de poupar e planejar
Getty Images
36% dos jovens afirmam satisfação em gastar no ato ao invés de poupar e planejar

Jovens de 16 a 24 anos são os maiores admiradoras de pessoas que possuem bens como roupas caras e automóveis de luxo. É o que mostra o Indicador de Educação Financeira (IndEF), elaborado pelo SerasaConsumidor em parceria com o IBOPE Inteligência.

Se comparado a outros grupos, as pessoas de 25 a 34 anos correspondem a 28%, as de 35 a 44, 34%, as de 45 a 54, 26% e as acima de 55, 25%.

O levantamento indicou que 27% dos jovens entre 16 e 24 anos reconhecem ir às compras atrás de marcas aprovadas por amigos e parentes. 

Leia mais: Varejo de São Paulo deve fechar o ano com queda nas vendas

“Esses números indicam a tendência de que uma boa parte dos jovens ostenta produtos que emprestam glamour e remetem a um padrão social mais elevado”, afirmou, em nota o superintendente do SerasaConsumidor, Julio Leandro. “Porém, para a grande maioria, na ponta do lápis, essa realidade não cabe no orçamento.”

Os jovens dessa faixa etária também demonstram disposição para o consumo imediato: 36% afirmam satisfação em gastar no ato ao invés de poupar e planejar a compra, e 33% optam por parcelar quando não têm dinheiro para adquirir o bem à vista. Os que compram por impulso são 41%.

O consumo por impulso pode explicar outras conclusões do estudo: 37% das pessoas entre 16 e 24 anos reconheceram que ao menos uma vez em um período de um ano, notaram que as despesas eram superiores aos rendimentos.