Tamanho do texto

Nível da ocupação para o mesmo período (56,8%) permaneceu estável frente ao segundo trimestre (56,9%)

A taxa de desocupação no terceiro trimestre ficou em 6,8%, o que representa estabilidade em relação ao trimestre anterior e ligeiro recuo na comparação com o mesmo período de 2013 (6,9%).

O nível da ocupação para o mesmo período (56,8%) permaneceu estável frente ao segundo trimestre (56,9%) e apresentou uma pequena queda em relação ao terceiro trimestre de 2013 (57,1%).

No terceiro trimestre desta ano, 78,1% dos empregados do setor privado tinham carteira de trabalho assinada, com avanço de 1,5 ponto percentual em relação ao mesmo período de 2013. As regiões Norte (65,6%) e Nordeste (63,0%) mostraram os menores percentuais nesse indicador.

A região Nordeste foi a que apresentou a maior taxa de desocupação, 8,6%, e a região Sul, a menor, 4,2%.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2013, a taxa da região Nordeste caiu 0,4 ponto percentual. A região Norte destacou-se com redução no mesmo período de 0,6 ponto percentual, de 7,5% passou para 6,9%, e igualou-se pela primeira vez na série histórica à taxa da região Sudeste (6,9%).

Foram verificadas ainda diferenças significativas na taxa de desocupação entre homens (5,7%) e mulheres (8,2%). Já o nível da ocupação é de 68,3% para os homens e 46,3% para as mulheres. O comportamento diferenciado deste indicador entre homens e mulheres foi verificado nas cinco grandes regiões, com destaque para a Norte, onde a diferença entre homens (71%) e mulheres (43,1%) foi a maior (27,9 pontos percentuais), e a Sul, com a menor diferença (19,4 pontos percentuais), sendo 71,2% para os homens e 51,8% para as mulheres.

A taxa de desocupação dos jovens de 18 a 24 anos de idade foi de 15,3%, patamar elevado em relação à taxa média total (6,8%). Este comportamento foi verificado em todas as cinco grandes regiões, onde a taxa oscilou entre 10,2% no Sul e 19,1%, no Nordeste. Já nos grupos de pessoas de 25 a 39 e de 40 a 59 anos de idade este indicador no país foi de 6,4% e 3,4%, respectivamente.

Regiões Norte e Nordeste têm maiores percentuais de autônomos

A população ocupada se dividiu da seguinte maneira no trimestre passado: 69,8% de empregados, 4,1% de empregadores, 23,3% de trabalhadores por conta própria e 2,8% de trabalhadores familiares auxiliares.

Ao longo da série histórica da pesquisa essa composição não se alterou significativamente. Nas regiões Norte (30,2%) e Nordeste (29,4%), o percentual de trabalhadores por conta própria era superior ao verificado nas demais regiões. O mesmo foi constatado para os trabalhadores familiares auxiliares: 7,1% na região Norte e 4,3% na região Nordeste (4,3%).