Tamanho do texto

IPCA de novembro fecha em 6,56% no acumulado de 12 meses; limite é de 6,5%; alimentos empurraram índice para cima

Agência Brasil

Carnes ficaram 3,46% mais caras em novembro
Divulgação
Carnes ficaram 3,46% mais caras em novembro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) , que mede a  inflação oficial, ficou em 0,51% em novembro. Em outubro, a taxa ficou em 0,42%. Em novembro do ano passado, a inflação havia sido 0,54%.

Leia também: Copom eleva taxa básica de juros em meio ponto, para 11,75%

Segundo dados divulgados  nesta sexta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula taxas de 5,58% no ano e de 6,56% no acumulado de 12 meses – pouco acima, portanto, do teto da meta estipulada pelo governo (6,5%).

O IPCA tem rodado acima da meta desde agosto, quando registrou 6,51%, mas mostra desaceleração: em setembro,  atingiu 6,75% e em outubro, recuou para 6,59 %. Para manter a inflação sobre controle, o Banco Central usa a Selic, a taxa básica de juros da economia, que nesta semana foi elevada para 11,75% ao ano . Com isso, o crédito fica mais caro, o que tira fôlego do consumo.

Os alimentos foram os principais responsáveis pela inflação de novembro, com variação de 0,77%. O produto que mais contribuiu para a alta foram as carnes, que ficaram 3,46% mais caras no mês.

Outras despesas que pesaram no bolso do consumidor em novembro foram os gastos com habitação (0,69%), transportes (0,43%), saúde e cuidados pessoais (0,42%) e despesas pessoais (0,48%). O único grupo de despesas com deflação (queda de preços) foi o de artigos de residência (-0,04%).

Alta, mas em desaceleração

Inflação acumulada em 12 meses fica acima da meta de 6,5% para o ano, mas continua em desaceleração

Gerando gráfico...
Fonte: IBGE

*Com informações do iG São Paulo