Tamanho do texto

O montante representa um avanço nominal de 51% sobre o resultado obtido no evento no ano passado, ante projeção inicial da E-bit de um aumento de 56%

O faturamento do comércio eletrônico durante a Black Friday no Brasil chegou a R$ 1,16 bilhão neste ano, disse a empresa de informações sobre comércio eletrônico E-bit nesta segunda-feira (1º), ligeiramente abaixo do previsto e guiado sobretudo pela alta do valor médio das compras.

O montante representa um avanço nominal de 51% sobre o resultado obtido no evento no ano passado, ante projeção inicial da E-bit de um aumento de 56%.

Leia mais:  Papo na redação: se deu mal na Black Friday? Veja quais são seus direitos

Black Friday: 72% das reclamações estão concentradas em três empresas

Na sexta-feira de descontos generalizados na Internet, foram feitos 2,2 milhões de pedidos online, bem abaixo da estimativa de 3,37 milhões.

Por outro lado, o tíquete médio de compra subiu 32% sobre um ano antes, a R$ 522, ante projeção inicial da empresa de pesquisas de um patamar bem mais baixo, de R$ 355.

"A elevação do tíquete médio foi reflexo do aumento da confiança na data pelo consumidor", disse o diretor-executivo da E-bit, Pedro Guasti, que avaliou que o evento atingiu expectativas.

O desempenho final da Black Friday vem a público em um momento em que varejistas projetam um Natal fraco diante do encarecimento do crédito, inflação em alta e perspectivas ainda incertas para a economia, combinação que vem fazendo o consumidor manter a carteira no bolso.

A expectativa é que a temporada de compras de fim de ano, a mais importante do ano, mostre um avanço de vendas menor que o apresentado em 2013, no que será, segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), o ritmo mais tímido da última década.