Tamanho do texto

Categoria entregou reivindicações no dia 11 de agosto e, após negociação com a Fenaban, não houve acordo para o reajuste

Reuters

Os bancários de todo o País entram em greve a partir desta terça-feira (30) por tempo indeterminado, informou nesta segunda-feira o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Segundo a entidade, durante esse período, os caixas de autoatendimento vão continuar funcionando para atender à população.

Na quinta-feira (2), bancários de São Paulo farão um ato na Avenida Paulista (altura do 1.800), para protestar contra a independência do Banco Central prevista em alguns programas de governo dos candidatos à Presidência da República. Lá será feita uma grande assembleia de rua da categoria.

A categoria entregou a pauta com as reivindicações no dia 11 de agosto e, após oito rodadas de negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), não houve acordo para o índice de reajuste, informou o sindicato em comunicado.

Fachada de agência da Caixa Econômica Federal, na Avenida Ragueb Chohfi Num, em São Paulo
Futura Press
Fachada de agência da Caixa Econômica Federal, na Avenida Ragueb Chohfi Num, em São Paulo


Os bancários reivindicam índice de 12,5% (aumento real de 5,8%) e os bancos propõem 7,35% (ganho real de 0,94%). Diante do impasse, assembleias em todo o País, realizadas nos dias 25 e 29 de setembro, definiram greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira.

"Além de o índice de reajuste não atender a expectativa dos bancários, a proposta não contempla as reivindicações não econômicas, que para nós são imprescindíveis, como garantia de emprego, combate às metas abusivas e ao assédio moral, segurança bancária e igualdade de oportunidades. Queremos mais dos bancos, que têm aqui a mais alta rentabilidade de todo o sistema financeiro internacional", afirmou Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, em comunicado em notícia divulgada no site da Contraf-CUT.

De acordo com a entidade, 18,6 mil bancários doentes foram afastados do trabalho pelo INSS em 2013 (aumento de 41% em relação aos últimos cinco anos), mais da metade dos quais com diagnóstico de transtornos mentais e do sistema nervoso - doenças que cresceram 64,3% desde 2008.

Veja os sindicatos que entraram em greve:

São Paulo
São Paulo
ABC
Bragança Paulista
Campinas
Mogi das Cruzes
Piracicaba

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
Campos de Goytacazes
Itaperuna
Teresópolis

Brasília

Minas Gerais
Belo Horizonte
Juiz de Fora
Teófilo Otoni
Uberaba

Paraná
Curitiba
Apucarana
Arapoti
Guarapuava
Cornélio Procópio
Londrina
Paranavaí
Umuarama

Rio Grande do Sul
Porto Alegre
Bagé
Bento Gonçalves
Cachoeira do Sul
Camaquã
Cruz Alta
Erechim
Litoral Norte
Passo Fundo
Rio Grande
Santa Cruz do Sul
Santa Rosa
Santo Ângelo
São Leopoldo
Uruguaiana
Vacaria
Vale do Caí
Vale do Paranhana

Santa Catarina
Florianópolis
Araranguá

Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Barra das Garças
Dourados

Pernambuco
Campina Grande

Bahia
Itabuna
Vitória da Conquista
Extremo Sul da Bahia
Camaçari
Feira de Santana
Ilhéus
Irecê
Jacobina
Jequié
Juazeiro

Ceará
Cariri

Regionais:
Mato Grosso
Alagoas
Paraíba
Piauí
Acre
Sergipe
Pará
Amapá
Rondônia
Espírito Santo
Maranhão
Rio Grande do Norte

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.