Tamanho do texto

Em agosto, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias) das famílias, em relação ao julho, ficou estável em 6,6%

Carlos Hamilton Araújo, diretor de Política Econômica do Banco Central
Agência Brasil
Carlos Hamilton Araújo, diretor de Política Econômica do Banco Central

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Araújo, disse nesta segunda-feira (29) que é pouco provável que se observe nova rodada de aumento do endividamento das famílias, no mesmo nível dos últimos anos.

LEIA MAIS: Casais trocam filhos por viagens, sonhos de consumo e folga no orçamento

De acordo com dados do BC, em julho, a dívida total das famílias equivalia a 46% da renda acumulada nos últimos 12 meses. Conforme o diretor, em 2005 esse endividamento era de 18%. “É pouco provável que, nos próximos 10 anos, ele seja multiplicado [novamente] por 2,5”, ressaltou Araújo.

Acrescentou que também não deve haver forte expansão do crédito, com exceção dos financiamentos imobiliários, que “ainda têm espaço para crescer a taxas mais elevadas nos próximos anos”. Segundo ele, o crédito imobiliário equivale a 9% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. “Bem menos do que a gente observa em outras economias com estágio idêntico ao nosso”, destacou.

Araújo salientou que a inadimplência das famílias está menor e não há indicação de aumento. Em agosto, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias) das famílias, em relação ao julho, ficou estável em 6,6%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.