Tamanho do texto

Para o Brasil, a OCDE reduziu a expectativa de crescimento neste ano para 0,3%, ante 1,8% em maio. Para 2015, a expectativa é de expansão de 1,4%, contra 2,2% anteriormente

Reuters

Organização também pediu estímulo muito mais agressivo do Banco Central Europeu para conter o risco de deflação na zona do euro
AFP
Organização também pediu estímulo muito mais agressivo do Banco Central Europeu para conter o risco de deflação na zona do euro

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) cortou suas estimativas de crescimento para as principais economias desenvolvidas nesta segunda-feira (15), reduzindo também sua perspectiva para o Brasil neste ano e no próximo.

LEIA TAMBÉM: Preço global de alimentos vai desacelerar na próxima década, diz OCDE

A OCDE também pediu estímulo muito mais agressivo do Banco Central Europeu (BCE) para conter o risco de deflação na zona do euro, ampliando a crescente pressão sobre o banco para impulsionar o crescimento antes de uma reunião de ministros das Finanças e membros de bancos centrais do G20 nesta semana na Austrália.

Ao atualizar suas projeções de crescimento para as principais economias desenvolvidas, a OCDE estimou expansão na zona do euro de apenas 0,8% neste ano, subindo para 1,1% em 2015.

Isso marca uma forte redução em relação ao seu Cenário Econômico de maio para a zona do euro, quando projetou crescimento de 1,2% em 2014 e de 1,7% em 2015.

Para o Brasil, a OCDE reduziu a expectativa de crescimento neste ano para 0,3%, ante 1,8% em maio. Para 2015, a expectativa é de expansão de 1,4%, contra 2,2% anteriormente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.