Tamanho do texto

American Task Force Argentina (ATFA) diz que país parece preferir um novo calote a negociar

Reuters

A Argentina caminha para um doloroso default se continuar resistindo a negociar um acordo com os credores que não aceitaram as reestruturações da dívida soberana do país, advertiu nesta quarta-feira (16) a associação que reúne os fundos que lideram o processo.

A American Task Force Argentina (ATFA) disse em aviso publicado nos principais jornais do país que o governo da presidente Cristina Kirchner parece preferir um novo default a negociar com os credores. Determinação da Justiça americana concede a eles o pagamento de US$ 1,33 bilhão mais juros.

A Argentina tem até 30 de julho para evitar o segundo default desde 2002, quando vence o prazo para cancelar os juros do "dicount bond" emitido sob legislaçõa estrangeira.

Leia mais:  Ministro da Economia da Argentina não acompanhará negociação de dívida

Um default pressionaria a economia argentina, que já se encontra em recessão, e fecharia as poucas fontes de financiamento externo que ela tem. As reservas internacionais do banco central da Argentina estão estancadas, após caírem 30% no ano passado.

"O tempo se esgota para a Argentina. Tem até o fim deste mês para chegar a acordo com seus credores", disse a ATFA.

"Esses credores têm solicitado em reiteradas ocasiões reunirem-se com as autoridades argentinas, mas estas se negam", acrescentou.

O juiz americano Thomas Griesa bloqueou o pagamento do bônus até que a Argentina pague os fundos liderados pelo NLP Capital e pelo Aurelius Capital Management e designou um mediador para destravar as discussões.

Mas a Argentina tem dito que não pode fechar acordo com os credores neste ano porque uma cláusula incluída nas reestruturações de 2005 e 2010, que vence no fim de dezembro, impede que ofereça termos melhores que aos detentores de títulos que participaram dessas operações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas