Tamanho do texto

"Eles não perderam fé no conto dos mercados emergentes; eles estão simplesmente questionando-o", diz relatório

Reuters

Presidenta Dilma Rousseff posa para foto oficial dos Chefes de Estado do BRICS
Roberto Stuckert Filho/PR
Presidenta Dilma Rousseff posa para foto oficial dos Chefes de Estado do BRICS

Investidores estão se dando conta das diferenças estruturais entre países classificados como mercados emergentes e estão tendendo menos a tratá-los como um grupo homogêneo, segundo uma pesquisa publicada nesta segunda-feira (16).

O estudo do instituto de pesquisa e da gestora de recursos Principal Global Investors mostrou que após sofrerem perdas na recente volatilidade dos mercados emergentes, muitos investidores estão agora analisando cada país mais de perto.

A pesquisa com 700 fundos de pensão, fundos soberanos, consultores e gestores de recursos em 30 países, com ativos combinados de US$ 29,7 trilhões, mostrou que a porcentagem que permanece otimista sobre a classe de ativos caiu quase pela metade em dois anos.

"Os investidores não perderam fé no conto dos mercados emergentes; eles estão simplesmente questionando-o. A balança mudou um pouco entre 2012 e 2014", disse o relatório.

A porcentagem dos chamados "fiéis" aos mercados emergentes caiu para 20% ante 38% entre 2012 e 2014, enquanto que os "céticos" cresceram para 28% ante 18%.

- Instabilidade em emergentes será longa, mas analistas afastam crise

Investidores que estão cuidando de perdas da turbulência no começo do ano são hoje mais propensos a examinar os países e seus benefícios econômicos em uma base de caso a caso.

Países identificados como capazes de implementar reformas econômicas são tidos como mais atraentes, diz o relatório, com mais de um terço dos entrevistados identificando a China como capaz de oferecer fortes retornos durante os próximos três anos.

Mais da metade dos entrevistados na pesquisa disseram pensar que a China fará um progresso significativo na implementação de reformas econômicas, enquanto que apenas seis por cento disseram que pensam o mesmo sobre a Rússia.

- Emergentes: Brasil está em rota de aceleração e China deverá enfrentar desafios

"O estudo indica que não há mais uma aceitação geral da história de mercados emergentes. As expectativas de retornos dos investidores caiu significativamente para ações e títulos", disse Nick Lyster, presidente-executivo da Europa da Principal Global Investors Europe.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.