Tamanho do texto

Diretor nega que empresa, acusada de ser pirâmide, continue em atividade no País

Costa:
Reprodução
Costa: "Telexfree está totalmente paralisada"

O braço da Telexfree no Brasil está trabalhando em um "mutirão de devolução" para quem investiu dinheiro no negócio, diz Carlos Roberto Costa, um dos diretores da empresa.

Costa nega que a empresa,  bloqueada ante a acusação de ser uma pirâmide financeira , esteja em funcionamento, como foi denunciado pelo programa "Fantástico", da Rede Globo, do último domingo (18).

A reportagem mostrou funcionários trabalhando no escritório da Telexfree em Vitória.

LEIA TAMBÉM: Apesar de bloqueada, Telexfree ainda permite cadastros no Brasil

"Essas pessoas [no escritório da Telexfree] estavam trabalhando no mutirão da devolução. Elas não estão no atendimento do cliente até porque a Ympactus [ razão social do braço brasileiro ] está totalmente paralisada, cumprindo a liminar [ de bloqueio ]", disse Costa num vídeo publicada na noite de segunda-feira (19) numa rede social.

Segundo Costa, uma proposta de devolução do dinheiro aos divulgadores – como são chamadas as pessoas que investiram no negócio – deverá ser apresentada à Jutiça em breve.

O diretor da Telexfree também negou, novamente, que a empresa seja uma fachada para uma pirâmide financeira bilionária, como acusam autoridades brasileiras e americanas.

James Merrill, um dos criadores da Telexfree, está preso nos Estados Unidos. Outro, o brasileiro Carlos Wanzeler, é considerado foragido. A Securities and Exchange Comission (SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA) encontrou indícios de que o negócio levantou US$ 1,2 bilhão (R$ 2,7 bilhões) em todo o mundo.

LEIA TAMBÉM: Veja como foi a fuga do dono da Telexfree para o Brasil

No Brasil, as contas da Telexfree recebera m cerca de R$ 988 milhões, segundo as autoridades americanas .

Processo pede devolução e extinção de atividades

O bloqueio às atividades da Telexfree foi determinado pela 2ª Vara Cível de Rio Branco em junho de 2013, a pedido do Ministério Público do Acre (MP-AC).

Em novembro do mesmo ano, os promotores propuseram um termo de ajustamento de conduta (TAC) pelo qual a Telexfree devolveria o dinheiro aos divulgadores e extinguiria suas atividades.

Os representantes da empresa, entretanto, não aceitaram e, em janeiro, propuseram devolver o dinheiro contanto que pudessem dar continuidade ao negócio  – o que não é admitido pelos promotores.

Uma ação do MP-AC que prevê a extinção da Telexfree e o ressarcimento dos divulgadores aguarda julgamento desde junho de 2013 na 2ª Vara Cível de Rio Branco. A Telexfree chegou a ser multada por atrapalhar o andamento do processo .