Tamanho do texto

Antonio Carlos Kakay, conhecido advogado, diz que não há motivo para a empresa, suspeita de ser pirâmide financeira, estar paralisada

Kakay: 'eu me convenci de que não é pirâmide'
Alan Sampaio / iG Brasília
Kakay: 'eu me convenci de que não é pirâmide'

Os representantes da Telexfree , empresa acusada de ser uma pirâmide financeira bilionária, contrataram o advogado que defendeu o publicitário Duda Mendonça no processo do mensalão, Antonio Carlos de Alemida Castro, o Kakay , para defendê-los nas investigações criminais que enfrentam.

LEIA TAMBÉM: Justiça dos EUA mantém prisão de dono da Telexfree

"Eu me convenci de que não é pirâmide", declarou Kakay, ao iG . "O que nos resta é entrar o máximo possível na história, conhecer bem a história e mostrar que não é pirâmide e não tem por que [ o negócio ] estar paralisado."

As atividades da Telexfree foram bloqueadas pela 2ª Vara Cível de Rio Branco em junho de 2013 , ante a acusação do Ministério Público do Acre (MP-AC) de que a empresa montou uma pirâmide financeira disfarçada de revenda de telefonia VoIP.

Kakay, que é advogado criminal, não vai atuar nesse processo, que é civil, mas atacou a decisão da juíza Thaís Khalil, autora da ação que bloqueou as atividades da empresa.

"Acho que, na realidade, o prejuízo à economia popular [ como é definido o crime de pirâmide no Brasil ] é a partir da subleitura que o MP-AC fez da Ympactus [ razão social da Telexfree no Brasil ] e da Telexfree e a partir da decisão judicial que inviabilizou [ os negócios ]."

Em 9 de maio, a Justiça dos Estados Unidos – onde a Telexfree também é acusada de ser uma pirâmide financeira – determinou a prisão temporária de um dos sócios da empresa , James Matthew Merrill. O outro, o brasileiro Carlos Wanzeler, é considerado foragido pelo Departamento de Estado

Kakay afirma que Wanzeler está no Espírito Santo, Estado onde fica a sede da empresa, e que se encontrará com ele nesta quarta-feira (21).

"Há um barulho de que ele esteja foragido. Ele saiu normalmente pelas vias normais [ dos Estados Unidos ] antes de ter a prisão decretada e ele é brasileiro nato", afirma. "A gente está comunicando onde ele mora."

O advogado também criticou a prisão de Katia Wanzeler, mulher de Carlos, detida em 14 de maio em Nova York ao tentar embarcar para o Brasil com uma passagem só de ida. Kakay questionou a informação.

"A esposa dele, que não é investigada, comprou uma passagem ida e volta, deixou o filho lá e prenderam ela no aeroporto", afirmou o advogado.

Leia também: Telexfree fala em mutirão para devolver dinheiro a divulgadores

As contas da Telexfree no Brasil receberam US$ 446 milhões (R$ 988 milhões), segundo as autoridades americanas. Em todo o País, a empresa movimentou US$ 1,2 bilhão (R$ 2,7 bilhões), de acordo com uma informação da companhia obtida pela Securities and Exchange Comission (SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA).

No Brasil, os donos são alvos de inquéritos da Polícia Federal e da Polícia Civil do Estado do Acre.