Tamanho do texto

Denúncia surge um mês depois do escândalo Telexfree; criador também é brasileiro

Wings: empresa promete prêmio de US$ 1 milhão
Reprodução
Wings: empresa promete prêmio de US$ 1 milhão

A Secretaria de Estado de Massachussetts, nos Estados Unidos, acusa a Wings Network, empresa criada por um brasileiro e promovida por brasileiros em território americano, de ser uma pirâmide financeira mal-disfarçada. A denúncia surge um mês depois de as mesmas autoridades acusarem Telexfree , também montada por um brasileiro, do mesmo crime.

Segundo a denúncia, feita na última quinta-feira (15), a Wings arrecadou, em cinco meses, cerca de US$ 12 milhões de moradores de Massachussetts, com a promessa de que lucrariam ao atrair mais gente para o negócio.

Pelo modelo divulgado em apresentações, o participante compra um pacote de US$ 1.499. Ao conseguir mais dois investidores, começa a ganhar US$ 750 por mês. Com seis novos investidores, recebe US$ 550 por dia.

Para as autoridades, é falsa a alegação da Wings de que se trata de um negócio de marketing multinível sustentado pelas vendas de eletrônicos – jogos, aplicações, armazenamento em nuvem e ferramentas de marketing – como divulga em seu site.

“Na verdade, a Wings Network é um modelo de negócios insustentável porque todo o dinheiro feito pela empresa vem da compra dos pacotes iniciais pelos participantes, e não da venda de produtos”, informa texto da denúncia. “A oportunidade de negócios de marketing multinível Wings Network é, na verdade, um esquema de pirâmide mal disfarçado.”

A Secretaria de Estado determinou o fim das atividades da Wings em Masschussetts. A medida, entretanto, pode levar as autoridades federais a barrar a atividade da empresa nos EUA como um todo, como aconteceu com a Telexfree.

Em nota divulgada em seu site, a Wings informou ter suspendido voluntariamente e de maneira provisória as atividades em solo americano e que “não houve qualquer alegação de que tenha ocorrido atitude equivocada de nossa empresa.”

A empresa não respondeu a um pedido de comentário feito pela reportagem por e-mail na última sexta-feira (16).

Criada e promovida por brasilerios

A Wings Network foi criada por Sergio Tanaka, um brasileiro que detém 14 empresas nos Estados Unidos. Tanaka também é um dos fundadores da Tropikgadget, companhia com endereços nos Emirados Árabes Unidos e em Portugal que detém alguns direitos da Wings.

O diretor-presidente da Wings é Carlos Luis da Silveira Barbosa, um economista que vive em Portugal.

Em Massachussetts, os principais líderes do negócio são os casais de brasileiros Vinícius Aguiar e Thaís Aguiar e Geovani Bento e Priscila Bento. Vinicius obteve US$ 1,3 milhão com o esquema Wings, segundo a denúncia. O casal Bento, US$ 164 mil. Eles repassavam dinheiro a Tanaka.

Os envolvidos – exceto Barbosa – foram denunciados por atuar, sem registro, na venda de ativos irregulares e fraudulentos.

A reportagem enviou mensagens por meio de uma rede social a Tanaka, Vinicius Aguiar e Thais Aguiar, mas não obteve resposta. O telefone de Barbosa registrado na Ordem dos Economistas de Portugal estava desligado. A reportagem não conseguiu contato o casal Bento.