Tamanho do texto

Demanda pelos papéis do governo continua expressiva e com juros mais baixos, destaca Fernando Garrido

O Tesouro vendeu NTN-B com vencimento em 2050 com juros de 6,85% ao ano
Getty Images
O Tesouro vendeu NTN-B com vencimento em 2050 com juros de 6,85% ao ano

O rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) não afetou a procura por títulos públicos do País, disse nesta terça-feira (25) o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido.

-Leia também: rebaixamento de nota é inconsistente com a economia brasileira, diz Fazenda

Ao comentar o resultado da Dívida Pública Federal (DPF) em fevereiro, ele disse que a demanda pelos papéis do governo brasileiro continua expressiva e com juros mais baixos do que os registrados nesta segunda-feira (24).

“A gente continua observando o mercado bastante positivo em relação à demanda por títulos. Nesta terça-feira (25), o Tesouro realizou um leilão de NTN-B [títulos públicos vinculados à inflação]. As taxas ficaram até 5 pontos-base abaixo do fechamento de segunda-feira (24). O mercado continua em uma dinâmica positiva em demanda por títulos”, declarou Garrido.

No leilão de hoje, o Tesouro vendeu NTN-B com vencimento em 2050 com juros de 6,85% ao ano. A taxa é maior do que os 6,80% ao ano registrados no leilão anterior, no último dia 12. No entanto, segundo Garrido, o mesmo papel estava sendo vendido na segunda-feira (24) a 6,90% ao ano no mercado secundário, quando os investidores revendem os títulos entre si sem a participação do governo.

Por meio dos títulos públicos, o governo pega dinheiro emprestado dos investidores para honrar compromissos e se compromete a devolver a quantia acrescida de juros. As taxas medem a segurança dos compradores, que pedem juros mais altos quanto maior a possibilidade de calote na dívida pública. Para o coordenador do Tesouro Nacional, o retorno baixo pedido pelos investidores mostra a confiança nos fundamentos econômicos do País.

“Se houver risco, não adianta a taxa estar em 15%, 16% ao ano porque o Tesouro não vai vender nada. A gente pode concluir que, quando tem um aumento expressivo da demanda, os investidores estão julgando que a taxa está bastante atraente para o risco existente”, acrescentou Garrido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.