Tamanho do texto

País tem fortalecido proteção aos consumidores, o que joga luz sobre atuação de gigantes como Apple, Nikon e Walmart

Reuters

Jeff Bezos, fundador da Amazon
AP Photo/Reed Saxon
Jeff Bezos, fundador da Amazon

A unidade chinesa da gigante americana de comércio eletrônico Amazon.com vai fortalecer a regulação de seus canais de vendas on-line e fechou uma loja de um terceiro, disse a varejista nesta quinta-feira (20), depois que a mídia estatal chinesa criticou a Amazon e a rival local menor Dangdang por vender cosméticos falsos.

LEIA TAMBÉM: Amazon e Walmart podem estar na disputa pela Netshoes

Uma notícia da China Central Television (CCTV) disse que vendedores terceirzados na Amazon e na Dangdang estavam comercializando produtos cosméticos falsos, alguns dos quais obtidos de atacadistas locais do mercado cinza.

A proteção ao consumidor subiu de posição na agenda chinesa depois que o país fortaleceu as leis de direitos de consumidores no ano passado, colocando nos centros das atenções empresas locais e internacionais, incluindo a Apple, a Nikon e a Walmart Stores .

A unidade chinesa da Amazon.com disse num comunicado em sua conta oficial de microblog que está levando a reportagem de 30 minutos da CCTV "muito a sério" e que adotou uma "política de tolerância zero" sobre produtos falsos. Ela acrescentou que concordou em reembolsar compradores que compraram os produtos relevantes.

"Vamos fortalecer o processo de verificação e regulação de nossos vendedores", disse a Amazon no microblog chinês Sina Weibo, acrescentando que qualquer comerciante que vendeu produtos falsos será fechado imediatemente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.