Tamanho do texto

Bloco europeu entrou com uma contestação junto à Organização Mundial do Comércio no final de 2013

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (24) que o governo brasileiro estranhou a contestação da União Europeia (UE) junto à Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre a Zona Franca de Manaus e o programa Inovar-Auto.

Presidente Dilma posa com o presidente da Comissão Europeia, Jose Manuel Barroso (esq.), e com o presidente do Conselho da União Europeia, Herman Van Rompuy (dir)
Reuters
Presidente Dilma posa com o presidente da Comissão Europeia, Jose Manuel Barroso (esq.), e com o presidente do Conselho da União Europeia, Herman Van Rompuy (dir)

"Nós estranhamos a contestação pela Europa na OMC, mesmo sabendo que é simplesmente uma consulta prévia, de programas que são essenciais para o desenvolvimento sustentável da economia brasileira", disse Dilma durante a 7ª Cúpula Brasil-UE, em Bruxelas. "Eu me refiro a dois programas: Inovar-Auto e ao programa de desenvolvimento sustentável da zona franca de Manaus."

A presidente argumentou que o programa Inovar-Auto busca o desenvolvimento de inovação tecnológica e tem a participação de empresas dominantemente europeias.

Sobre a Zona Franca de Manaus, Dilma assinalou sua "surpresa" pela UE contestar uma "produção ambientalmente limpa na Amazônia, que gera emprego e renda, que é instrumento fundamental para a gente conservar a floresta em pé", dada a preocupação e comprometimento da Europa com questões ambientais.

Ela ressaltou ainda que a Zona Franca de Manaus "não é uma zona de exportação, é uma zona de produção para o Brasil".

Dilma disse que o Brasil deseja que as relações comerciais e de investimentos com a UE sejam as mais amigáveis possíveis e reafirmou seu empenho para que se feche o acordo de associação entre o Mercosul - bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Venezuela e Bolívia, que está em processo de adesão - e a UE.

Segundo Dilma, a expectativa é de que a partir da reunião técnica a ser realizada em 21 de março possa ser fixada a data para a troca de ofertas. "Quero dizer que o Mercosul está fazendo um grande esforço para consolidar a oferta."

A presidente aproveitou para voltar a defender a força dos fundamentos econômicos do Brasil, que o governo vê a disciplina fiscal como condição básica, que a inflação está sob controle e que o sistema financeiro do país é sólido. Isso, somado a grandes reservas internacionais, permitem que o país enfrente as turbulências internacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas