Tamanho do texto

Gasto com a mesma quantidade de cédulas da família antiga do real foi de R$ 172,84

Agência Estado

Com a colocação das cédulas de R$ 2 e R$ 5, o Banco Central completa a segunda família
Divulgação
Com a colocação das cédulas de R$ 2 e R$ 5, o Banco Central completa a segunda família

O milheiro de notas de R$ 2 da segunda família do real que entraram em circulação nesta segunda-feira (29) custou R$ 175,30, informou nesta tarde o Banco Central (BC). Na primeira família, o gasto com a mesma quantidade dessas cédulas foi de R$ 172,84.

-Veja também: novas cédulas de R$ 2 e R$ 5 começam a circular nesta segunda-feira

Para as notas de R$ 5, que também começaram a ser distribuídas nesta segunda-feira (29), o custo do milheiro foi de R$ 178,92, ante R$ 165,73 na primeira etapa.

Com a colocação das cédulas de R$ 2 e R$ 5, o BC completa a segunda família, já que as demais notas estão em circulação.

As novas notas têm tamanhos diferentes, de acordo com seus valores. Segundo a autoridade monetária, o recurso, aliado às marcas táteis em relevo, facilita o reconhecimento pelos portadores de deficiência visual. Mesmo sem identificar uma incidência "grave" de falsificação, ao mudar as cédulas, o BC afirma que age preventivamente.

"Atualmente, essa é uma realidade não só do Brasil, mas de todo o mundo: as autoridades emissoras têm buscado atualizar o design de suas cédulas com mais frequência, a fim de agregar-lhes elementos de segurança tecnologicamente mais sofisticados, capazes de resistir às investidas dos falsários", relatou o BC.

Apesar do cuidado, o BC já identificou falsificação das novas notas da segunda família do real. Conforme a autarquia, isso se dá porque a população não conhece bem as novas notas e não verifica seus elementos de segurança. A incidência, de acordo com o BC, tende a diminuir.

O diretor de Administração do BC, Altamir Lopes, faz o lançamento oficial das cédulas na sede do BC nesta tarde (29).