Tamanho do texto

Quitação deve vir antes do prazo final estabelecido em 2014, segundo o primeiro-ministro do país, Viktor Orban

Agência Estado

ASSOCIATED PRESS/AP
"A Hungria não é uma grande potência", disse Viktor Orban, primeiro-ministro do país

A Hungria pagará seu empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI) neste verão (Hemisfério Norte), antes do prazo final estabelecido em 2014, afirmou o primeiro-ministro do país, Viktor Orban, no último passo para cortar os laços do país com a organização internacional o máximo possível.

O reembolso serve também como uma demonstração das prioridades do governo húngaro, que está buscando se reeleger no próximo ano, para retomar sua soberania. O governo do partido Fidesz, que tomou o poder em 2010, se irritou inúmeras vezes com o que ele vê como uma interferência por parte do FMI e da União Europeia na formulação das políticas no país.

"A Hungria não é uma grande potência. Tem sido um objetivo permanente (da Hungria) ao longo dos séculos se defender de esforços das principais potências mundiais para desviar seus recursos e proteger a sua soberania política e econômica", disse Orban em um discurso televisionado em Baile Tusnad, Romênia.

O movimento ocorre algumas semanas depois de o banco central local pedir ao FMI em uma carta pública à diretora-gerente da organização, Christine Lagarde, para fechar seu escritório no país. O FMI, que ajudou a resgatar o país em 2008, concordou em meados de julho com o pedido do governo. O empréstimo da Hungria era de cerca de € 2,86 bilhões (US$ 3,8 bilhões) no fim de junho, de acordo com dados publicados no site do FMI.