Tamanho do texto

Ganho foi de 5,68% acima da inflação; média do salário base chega a R$ 802,89

Agência Estado

Pisos salariais da indústria foram maiores
Getty Images
Pisos salariais da indústria foram maiores

Das 696 unidades de negociação analisadas pelo Sistema de Acompanhamento de Salários do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (SAS-Dieese), 98% conquistaram aumento real para os pisos salariais no ano passado, usando como base a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o órgão, que divulgou o estudo nesta quinta-feira (25) o resultado corrobora os dados já observados no Balanço dos Reajustes Salariais de 2012, divulgado em março passado.

O Dieese destaca que o resultado é positivo não apenas pelo elevado porcentual de negociação com aumento real nos pisos salariais, mas também pela magnitude desse ganho. Em 2012, o aumento real médio dos pisos salariais foi de 5,68% acima da inflação medida pelo INPC.

Em relação aos valores estabelecidos para os pisos, quase 7% correspondiam ao salário mínimo vigente em 2012, de R$ 622,00, 25% tinham valor de até R$ 664,50 e metade, até R$ 729,70. O valor médio dos pisos analisados foi de R$ 802,89.

Leia também: Ministério do Trabalho confirma reajuste de 9% no seguro-desemprego

Na comparação entre os setores econômicos, os pisos salariais definidos na indústria (mediana de R$ 750) e nos serviços (R$ 738,50) foram, no geral, maiores do que os negociados no comércio (R$ 685).

O Salário Mínimo Necessário calculado pelo Dieese para 2012 apresentou variação entre R$ 2.295,58, registrado em março, e R$ 2.617,33, observado em outubro, apresentando um valor médio anual de R$ 2.463,80. No ano passado, apenas uma unidades de negociação definiu piso salarial superior ao valor médio anual do Salário Mínimo Necessário: serviços de saúde privada (R$ 3.150) e Comunicação, publicidade e jornalismo ficou bem próximo (R$ 2.455).

Saiba mais: Brasil tem pior 1º semestre para geração de empregos desde 2009

De acordo com o Dieese, a elevação maior dos pisos salariais frente à dos demais salários "pode, a médio e longo prazo, reduzir a dispersão salarial no interior das categorias, resultado que ainda precisa ser estudado".

"Por ora, cabe apenas afirmar que os pisos salariais têm se valorizado acima do patamar dos demais salários, e isso tem sido resultado tanto da intensa mobilização das diferentes categorias em torno da sua valorização, quanto da política de valorização do salário mínimo", afirmou, em nota.