Tamanho do texto

Exportações somaram US$ 5,371 bi e importações ficaram em US$ 4,813 bi no período

Agência Estado

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 558 milhões na terceira semana de julho, entre os dias 15 e 21. As exportações somaram US$ 5,371 bilhões e as importações ficaram em US$ 4,813 bilhões no período, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Na segunda semana do mês, a balança tinha registrado déficit de US$ 619 milhões.

-Veja também: alta do dólar não impedirá queda no saldo da balança comercial

No mês de julho, as exportações somam US$ 14,405 bilhões e as importações chegam a US$ 14,268 bilhões, com saldo positivo de US$ 137 milhões. No ano, as exportações alcançam US$ 128,828 bilhões e as importações somam US$ 131,783 bilhões, com saldo negativo de US$ 2,955 bilhões.

No ano, as exportações alcançam US$ 128,828 bilhões e as importações somam US$ 131,783 bilhões
Divulgação
No ano, as exportações alcançam US$ 128,828 bilhões e as importações somam US$ 131,783 bilhões

Na semana passada, houve aumento nas exportações de semimanufaturados e básicos. Por outro lado, caíram as exportações de manufaturados. As importações, de forma geral, apresentaram alta. Essas comparações levam em consideração o critério de médias diárias da semana passada em relação às médias diárias das duas primeiras semanas do mês.

A média geral das exportações da terceira semana ficou em US$ 1,074 bilhão, 18,9% acima da média de US$ 903,4 milhões até a segunda semana. O MDIC explica que essa alta ocorreu em razão do crescimento nas exportações de produtos semimanufaturados (alta 71,8%, de US$ 85,2 milhões de média diária até a segunda semana do mês para US$ 146,4 milhões, na terceira semana).

O movimento foi impulsionado pelo aumento nas vendas de açúcar em bruto, celulose, ouro em forma semimanufaturada, semimanufaturados de ferro/aço e ferro-ligas.

Houve alta também nos resultados dos básicos (crescimento de 30,8% nas médias diárias, de US$ 426,8 milhões para US$ 558,1 milhões) principalmente por causa de minério de ferro, petróleo em bruto, farelo de soja, carne bovina e milho em grãos).

As remessas de manufaturados caíram 6,6% (de US$ 370,0 milhões de média diária até a segunda semana para US$ 345,7 milhões, na terceira semana). Esse resultado, adverte o MDIC, ocorreu em razão de plataforma para extração de petróleo, aviões, açúcar refinado, etanol e calçados.

Nas importações foi registrado crescimento de 1,8% (média diária de US$ 945,5 milhões até a segunda semana para US$ 962,6 milhões de média diária da terceira semana). Aumentaram os gastos com equipamentos mecânicos, aparelhos eletroeletrônicos, plásticos e obras, siderúrgicos e adubos e fertilizantes, informa o MDIC.